Do Serviço Noticioso Um Mundo A Ganhar (SNUMAG) de 23 de Junho de 2003, aworldtowinns.co.uk

Maoistas iranianos apoiam a sublevação estudantil

Seguem-se excertos de três declarações públicas dirigidas aos estudantes e ao povo iraniano divulgadas pelo Partido Comunista do Irão (Marxista-Leninista-Maoista), um partido participante no Movimento Revolucionário Internacionalista, o qual congrega forças maoistas de todo o mundo.

(11 de Junho): Não aos EUA, Não à República Islâmica do Irão – Obteremos a Nossa Libertação no Campo de Batalha. Vivam os Estudantes que Pedem a Liberdade! Viva a Juventude que Corajosamente Desafiou os Assassinos do Regime! Vivam as Mulheres que Romperam as Grilhetas Patriarcais! Viva o Povo que Destemidamente Esmagou as Correntes Podres do Despotismo Religioso!

... Estes protestos, que começaram com 150 pessoas, rapidamente se tornaram em protestos em massa e injectaram um tremendo entusiasmo na luta do povo iraniano pelo derrube da República Islâmica.

Muitos elogios para vós! Vitória para vós! Deram uma resposta justa a este regime podre cujo prazo já passou há muito tempo. Deram uma justa resposta aos falidos “reformadores” e às forças capitulacionistas nacional-religiosas (... aliadas à facção reformista do regime, liderada pelo presidente Khatami).

... Esta foi uma boa resposta ao maior criminoso do mundo, o imperialismo norte-americano que se apresenta como nosso libertador. O imperialismo norte-americano não nos quer salvar, mas quer salvar de nós o estado reaccionário do Irão, que ele próprio construiu. Os EUA pretendem substituir a reaccionária República Islâmica do Irão e impor-nos um outro bando reaccionário. Fizeram o mesmo durante a revolução de 1979. Desta vez, os EUA querem cozinhar uma nova guarda reaccionária para o Irão, juntando alguns elementos da facção dominante da República Islâmica do Irão, outros da sua “facção reformista”, alguns monárquicos que levantaram as suas cabeças do seu sepulcro, e outras marionetas conhecidas ou anónimas. Os EUA pretendem reunir essa mistela e impô-la, seja directamente usando a força militar, seja indirectamente.

A batalha de ontem à noite deu apenas um pequeno vislumbre da verdadeira força do povo do Irão. Um povo que atravessou o inferno da derrota de uma grande revolução e que, desta vez, quer controlar o seu destino. Quando essa força de vontade e poder combativo se ligam a uma consciência revolucionária e comunista, nasce então uma poderosa mistura, que nenhum dos inimigos históricos da classe operaria e dos povos do Irão pode enfrentar negociar com, e um futuro radioso brilhará perante nós.

A batalha de ontem à noite mostrou que a sociedade está carregada e que uma única faísca se pode transformar num grande incêndio. Tremendas batalhas se perfilam à nossa frente e é tarefa de todas as forças revolucionárias estarem preparadas.

A batalha de ontem à noite é apenas um prelúdio ao que poderá acontecer a 8 de Julho [o quarto aniversário da esmagada insurreição estudantil]. Este ano, o aniversário da heróica insurreição estudantil de 8 de Julho será uma demonstração de força entre o povo e o regime, bem como entre o povo e as forças políticas pró-EUA, que querem usar as vagas da insurreição popular para chegar ao poder. Mas isso é o que eles pensam!

Nestas condições, o movimento estudantil pode e deve representar um papel histórico.

Estudantes e juventude revolucionária: Organizem-se, longe dos olhos dos mercenários do regime e longe das organizações estudantis patrocinadas pelo regime! Organizem grupos militantes e castiguem os cobardes esgrimidores de bastões do Hezbollah! Como preparação para o aniversário do 8 de Julho, organizem-se manifestações locais e espalhadas em diferentes cantos das cidades e entoem palavras de ordem contra a reacção e anti-imperialistas; preparem o terreno para uma importante demonstração de força com o regime e a favor das massas e tornem mais próxima a morte da República Islâmica do Irão.

Não aos EUA e Não à República Islâmica do Irão! Abaixo a República Islâmica do Irão e os seus Amos Imperialistas! Viva a Liberdade e a Independência! Ergamos a Bandeira Vitoriosa da Guerra Popular!

(12 de Junho): Reza Pahlavi [o filho do ex-Xá do Irão], a marioneta escolhida pelos EUA, pediu aos estudantes para não recorrerem à violência ou “provocarem” as forças policiais! De facto, ele está a pedir aos estudantes que não fechem a porta à unidade entre a sua equipa e as forças opressivas da República Islâmica do Irão, porque, tal como o seu pai e os seus amos, sempre precisaram das forças repressivas para dominar e controlar as massas.

Os meios de comunicação ocidentais têm intencionalmente evitado divulgar as palavras de ordem revolucionárias dos estudantes que são dirigidas contra ambas as facções da República Islâmica do Irão, tal como têm intencionalmente evitado divulgar os actos radicais dos jovens. Eles sabem muito bem que o movimento estudantil pode representar um importante papel nos acontecimentos políticos do Irão e estragar os planos que os imperialistas têm para o Irão. Eles gostariam de um movimento estudantil cortês, submisso e manipulado, um movimento confundido quanto aos seus objectivos políticos e com muitas ilusões sobre os inimigos do povo do Irão, especialmente sobre os EUA. Mas o nosso povo precisa de um movimento estudantil que seja consciente e revolucionário, que tenha uma clara linha de demarcação com todas as facções da República Islâmica do Irão e com o imperialismo norte-americano. Um movimento que esteja na ofensiva e orgulhoso, que espalhe as sementes da consciencialização, da organização e da luta inflexível por todo o país e em unidade com os interesses das massas, esboçando uma via verdadeiramente revolucionário e libertadora. Construamos esse movimento!

(14 de Junho): Uma confrontação aguda e vital entre o povo e o regime está a formar-se muito rapidamente. Se o movimento persistir até 8 de Julho, muitas das artimanhas e decepções do regime ficarão desfeitas. A persistência deste movimento também interromperá os planos e as maquinações imperialistas contra o nosso povo.

Apelamos a todos a apoiarem este movimento e a nada temerem. Em nenhum outro momento da sua história este regime esteve tão fraco.

Apelamos à classe operária para se unir ao movimento, cercando as forças do regime que têm cercado os estudantes. Esta é uma importante batalha. Movam as trincheiras das fábricas para as ruas.

Apelamos às mulheres para estarem na vanguarda desta rebelião!

Apelamos a todas as nações oprimidas – curdos, baluchis, árabes, azaris e turcomanos – a apoiarem este movimento!

Apelamos a todas as pessoas das zonas rurais a juntarem-se a esta luta!

Apelamos a toda a diáspora iraniana para que leve as notícias desta luta à juventude revolucionária e aos estudantes, especialmente nos EUA, de modo a despertar a sua solidariedade para com este movimento estudantil!

(Para mais notícias, consultar: www.sarbedaran.org ou www.aworldtowin.org)