Da edição n.º 539, de 16 de abril de 2018, do jornal Revolution/Revolución, voz do Partido Comunista Revolucionário, EUA (http://revcom.us/a/539/protests-hands-off-syria-en.html, em inglês).

Protestos em todo o mundo exigem: Tirem as mãos da Síria!

Cidade de Nova Iorque. (Foto: Erik McGregor)

No fim de semana a seguir ao bombardeamento e aos ataques com mísseis à Síria a 13 de abril, levados a cabos pelos EUA juntamente com os seus aliados imperialistas Grã-Bretanha e França, as pessoas nos EUA e em todo o mundo manifestaram-se para denunciar a criminosa agressão e para exigir o fim dos ataques aéreos.

Chicago: Manifestação até à Torre Trump. (Foto: Especial para o Revolution/Revolución/revcom.us)

Nos Estados Unidos, houve protestos em grandes cidades como Nova Iorque, Filadélfia, Chicago, Los Angeles e Washington DC, bem como em cidades de menor dimensão como Boulder no Colorado, Sacramento na Califórnia e Tucson no Arizona, exigindo que os EUA tirem as mãos da Síria. Estas ações foram convocadas pela Coligação ANSWER, pela Recusar o Fascismo, pela Código Rosa e por outras organizações. Os manifestantes concentraram-se à frente da Casa Branca e da Torre Trump em Chicago. Em São Francisco, a Código Rosa protestou no exterior das casas das principais dirigentes dos Democratas, Diane Feinstein e Nancy Pelosi, para exigirem que as líderes do Partido Democrata “tomem a palavra contra o bombardeamento e a guerra permanente” e depois juntaram-se aos outros manifestantes no centro da cidade.

Los Angeles, Califórnia.

Entre os protestos em todo o mundo estiveram:

Atenas, Grécia: Milhares de pessoas concentraram-se na Praça Syntagma no centro da cidade e manifestaram-se até à embaixada norte-americana, gritando palavras de ordem anti-EUA e erguendo cartazes. Alguns dos manifestantes escreveram no pavimento a tinta vermelha: “Norte-americanos, assassinos do povo.” Haifa, Israel: Várias centenas de palestinos protestaram frente ao consulado norte-americano e queimaram a bandeira norte-americana. Londres, Grã-Bretanha: As pessoas protestaram no exterior da residência da primeira-ministra Theresa May para exigirem que a Grã-Bretanha páre de alinhar com os EUA e com Trump nos ataques à Síria. Kolkata, Índia: Os manifestantes queimaram uma efígie de Donald Trump, com imagens do primeiro-ministro francês Macron e da primeira-ministra britânica May colados à efígie. Eles tinham cartazes com mensagens como: “Ponham-se de pé, protestem contra os ataques norte-americanos com mísseis à Síria.” Chipre: Ativistas protestaram às portas de uma base militar da Força Aérea Real britânica, perto de Limassol. Cidade do México, México: Panos e cartazes de protesto foram pendurados na cerca à volta da embaixada norte-americana. Santiago do Chile: Os manifestantes fizeram uma concentração no exterior da embaixada norte-americana, enfrentando a polícia chilena. Alguns dos manifestantes foram presos.

Em todo o mundo, e sobretudo dentro dos EUA, todos devemos tomar a palavra e sair às ruas contra os ataques norte-americano-britânico-franceses à Síria que são ultrajantes e criminosos atos de agressão imperialista.

Seattle, Washington. (Foto: @RadRevSusan)

Atenas, Grécia. (Foto: @VOANews)

Santiago, Chile. (Foto: Piensa Prensa)

Hamburgo, Alemanha. (Foto: Especial para o Revolution/Revolución/revcom.us)