Do Serviço Noticioso Um Mundo A Ganhar (SNUMAG) de 5 de Junho de 2006, aworldtowinns.co.uk

Katmandu assiste a comício maoista sem precedentes

A 2 de Junho, o Partido Comunista do Nepal (Maoista) realizou um enorme comício público em Katmandu, com uma dimensão que o país nunca antes vira. Esta foi a primeira vez que os maoistas puderam desenvolver qualquer actividade pública na capital há vários anos. Estimativas da dimensão da multidão iam de “pelo menos 200 mil pessoas” (BBC) até meio milhão. O trânsito foi desviado do centro da cidade por causa das enormes multidões que enchiam as ruas. Centenas de veículos de transportes públicos emprestados trouxeram as pessoas das zonas libertadas revolucionárias e outras zonas rurais de todo o Nepal central. Muitas das pessoas nunca antes tinham estado na capital. Houve quartos de hotel a preços especiais e foram erguidas tendas por todo o lado. Entre os moradores das zonas urbanas presentes, muitos eram apoiantes dos maoistas e outros queriam ouvir o que os maoistas tinham para dizer. A responsabilidade pela protecção da multidão e por manter tudo organizado e disciplinado foi atribuída a milhares de jovens voluntários, incluindo um grande número de raparigas. Todos usavam t-shirts vermelhas com uma imagem do Presidente Prachanda do PCN(M). As forças governamentais tinham instalado perigosas redes de arame farpado e forças de segurança fortemente armadas estavam preparadas para impedir a multidão de marchar rumo ao palácio real, situado a apenas algumas centenas de metros do local do comício.

A localização tinha um grande significado político. A multidão extravasou largamente o teatro ao ar livre e espalhou-se pelo Tudikhel, um terreno para paradas militares situado atrás do teatro, que nunca antes estivera aberto ao público. Até essa altura, servira exclusivamente para as cerimónias do rei. As pessoas sentaram-se nas cadeiras que até aí raramente tinham visto traseiros que não os do rei e dos seus generais feudais. Foram colocadas bandeiras vermelhas comunistas na tribuna da parada, que nunca antes tinha visto outros símbolos que não os da dinastia feudal dos Shah.

Além de espectáculos de música e de dança, o principal orador foi Kirshna Bahadur Mahara, líder da equipa que prepara as negociações entre o PCN(M) e o parlamento recentemente reinstalado. Ele criticou os partidos parlamentares por se terem afastado do acordo em 12 pontos com o PCN(M) que levou à insurreição nacional contra o rei e pela sua teimosa relutância em dissolver o parlamento e convocar eleições para uma assembleia constituinte.


Outras imagens do comício

Camarada Kirshna Bahadur Mahara