Do Serviço Noticioso Um Mundo A Ganhar (SNUMAG) de 13 de Julho de 2009, aworldtowinns.co.uk

Índia:
Sobre o assassinato de dois camaradas do PCI(M) no Andhra Pradesh

O texto que se segue são excertos de uma carta pública do Comité Central do Partido Comunista da Índia (Maoista) datada de Junho de 2009.

O camarada Patel Sudhakar Reddy numa foto antiga com o camarada Ramakrishna na floresta de Nallamalla, perto de Srisailam
O camarada Patel Sudhakar Reddy (atrás, à direita), numa foto antiga com o camarada Ramakrishna na floresta de Nallamalla, perto de Srisailam.

A 23 de Maio, o nosso Partido e a revolução indiana sofreram mais uma perda importante e irreparável. Nesse dia fatal, por volta das 10h30, o camarada Patel Sudhakar Reddy (de pseudónimos Suryam ou Vikas), que era membro do Comité Central [CC] do nosso Partido, e um outro camarada das estruturas distritais, Venkatayya (de pseudónimo Prasanna), foram presos por criminosos do SIB [Ramo de Investigações Especiais da polícia] do Andhra Pradesh e foram brutalmente torturados e assassinados às primeiras horas do dia 24. Eles tinham sido presos na cidade de Nashik, no Maharashtra. Os corpos dos nossos dois camaradas foram atirados para a floresta perto de Lavvala, no Tadwai mandal do distrito de Warangal, e surgiu a habitual história de um encontro [tiroteio]. O Ministro Chefe [do Andhra Pradesh], que estava em Deli, repetiu essa história policial forjada sem qualquer ponta de vergonha.

O nosso CC emitiu um apelo a todo o Partido e ao povo para que façam uma bharat bandh [greve em toda a Índia] a 12 de Junho em protesto pelo assassinato a sangue frio dos nossos queridos camaradas. Foi entregue uma petição no Supremo Tribunal pelo Comité de Liberdades Civis do Andhra Pradesh para a repetição do exame postmortem ao corpo dos mártires. Os presos maoistas da prisão de Cherlapalli no Hyderabad e da prisão central de Warangal entraram em greve da fome, em protesto contra o encontro [assassinato] de Sudhakar Reddy. Exigiram que os falsos encontros acabem imediatamente.

Estes actos criminosos e inconstitucionais não são levados a cabo por um qualquer agente da polícia ao nível distrital ou mesmo do estado. Eles são planeados e executados sob a orientação directa e a direcção da liderança política de topo. Os camaradas Vikas e Prasanna são as primeiras vítimas da repressão fascista desencadeada pelo governo sanguinário de Y. S. Reddy, recentemente reeleito no Andhra Pradesh, e do governo central da UPA, encabeçado pelo Congresso.

Patel Sudhakar Reddy, que também era conhecido popularmente como Suryam no campo revolucionário do Andhra Pradesh e como Vikas no CC e no Partido recém-formado após a fusão do PCI(ML)[Guerra Popular] e do MCCI em Setembro de 2004, tinha-se tornado num dos líderes estabelecidos da revolução indiana e um membro do comité central do PCI (Maoista) depois de um longo percurso como eminente revolucionário. Começou a sua vida revolucionária como líder estudantil da União de Estudantes Radicais no início dos anos 80. Respondendo ao apelo do Partido para criar uma zona de luta revolucionária agrária armada no Telangana Norte e no Dandakaranya, com o objectivo de a transformar numa zona libertada, em 1983 ele foi para a floresta de Eturnagaram-Mahadevpur, no Telengana Norte, e trabalhou como dirigente de uma brigada da guerrilha. Depois, foi transferido para o distrito de Gadchiroli, onde trabalhou até 1988, [até ser] preso em 1992 no Bangalore, após a delação de um preso. Manteve-se um líder comunista exemplar na prisão, onde passou quase sete anos. Foi libertado em 1998 e desempenhou um proeminente papel na construção do movimento no Dandakaranya, nos seus primeiros anos, e depois no estado do Andhra Pradesh [AP]. Chegou ao CC em 2005 e, como membro do CC, fez um significativo contributo para a formulação das políticas e dos planos centrais.

O camarada Venakatayya veio do Cheryala mandal, no distrito de Warangal, e esteve activamente envolvido no movimento estudantil do AP durante quase uma década e foi líder da Federação de Estudantes Revolucionários de Toda a Índia no AP. Mudou para o trabalho técnico em 2004 e tinha estado a trabalhar desde então no campo técnico.

A contribuição dos camaradas Suryam e Prasanna para a revolução indiana não será jamais esquecida pelo Partido, pelo EGPL [Exército Guerrilheiro Popular de Libertação] e pelo povo. Eles continuarão a luta pela libertação do país com um vigor e um ódio redobrado aos exploradores e traidores que governam o país. Os governantes reaccionários da Índia, com a ajuda activa dos imperialistas, esperam em vão poder reprimir a revolução indiana através da eliminação da liderança central e estatal do PCI (Maoista). Com isso, pensam que podem privar os oprimidos de uma liderança e reprimir a sua luta pela terra, por melhores condições de vida e pela libertação. Mas essa conspiração dos governantes reaccionários continuará a ser um mero devaneio. Milhares e milhares de herdeiros revolucionários merecedores calçarão os sapatos destes amados líderes, transformando em pesadelos os sonhos dos governantes reaccionários.

O CC do PCI (Maoista) presta a sua homenagem vermelha revolucionária aos nossos amados líderes – camaradas Sudhakar Reddy e Venkatayya – e promete completar os seus sonhos revolucionários de uma sociedade sem classes. Intensifiquemos e ampliemos a actual guerra popular, estabeleçamos zonas libertadas nos vastos campos do país, transformemos o EGPL num EPL [Exército Popular de Libertação] e façamos avançar a revolução indiana até à sua vitória final.

O papel da liderança é muito crucial em qualquer revolução. Todas as revoluções vitoriosas da história tiveram um grande cuidado na preservação da sua liderança e em assegurar a continuidade dessa liderança. Sem essa continuidade da liderança é impossível fazer-se avançar a guerra revolucionária e chegar-se à vitória final. Por isso, o inimigo também tem tentado desesperadamente e por todos os meios ao seu dispor eliminar a liderança do Partido a todos os níveis, sobretudo a liderança central e estatal. Foram distribuídos enormes fundos com o fim de eliminarem a liderança e foi estabelecida uma vasta rede de informações.

Retiremos as devidas lições das sérias perdas sofridas pelo nosso Partido no período mais recente, especificamente no período após o Congresso do Partido, evitando estritamente a repetição dos erros, e esforcemo-nos arduamente por eliminarmos as nossas fraquezas, preservando e acumulando as nossas forças subjectivas, sendo sempre vigilantes contra as conspirações e maquinações do inimigo, estando sempre prontos para qualquer tipo de sacrifício e caminhando em frente para obtermos vitórias ainda maiores.