Publicamos aqui 4 artigos do jornal Revolution/Revolución, voz do Partido Comunista Revolucionário, EUA, sobre os recentes ataques fascistas à Livros Revolução de Berkeley.

Apoiantes de Trump ameaçam queimar completamente a Livros Revolução de Berkeley, EUA

Da edição n.º 533, de 5 de março de 2018, atualizada a 12 de março, do jornal Revolution/Revolución, voz do Partido Comunista Revolucionário, EUA (http://revcom.us/a/533/trump-supporters-threaten-to-burn-down-revolution-books-in-berkeley-en.html em inglês ou http://revcom.us/a/533/partidarios-de-trump-amenazan-con-incendiar-libros-revolucion-berkeley-es.html em castelhano).

Comunicado da Livros Revolução de Berkeley sobre as ameaças fascistas contra a livraria:

Clica no cartaz para o ampliar.

Descarrega o cartaz em formato PDF (em inglês).

Descarrega e distribui o folheto da Livros Revolução de Berkeley (em inglês).

A 3 de março, sábado à tarde, um punhado de rufiões trumpistas veio à nossa livraria, gritou e fez ameaças: “Vamos queimar completamente a vossa livraria.”

Eles vieram marcar o aniversário da primeira concentração pró-Trump o ano passado em Berkeley. Alimentados e apoiados pelo controlo do regime de Trump e Pence sobre o governo e a sociedade, o que inclui a intensificação dos ataques aos imigrantes, aos muçulmanos e às pessoas de cor e o flagrante desprezo do regime por sequer um verniz de direitos civis, estes “camisas castanhas” têm visado repetidamente a nossa livraria. Já tínhamos dito antes que estes ataques evocam as queimas de livros feitas pelos nazis e a Kristallnacht [Noite de Cristal na Alemanha nazi]. Agora, estes fascistas estão a ameaçar de facto queimar completamente a livraria!

Como dissemos no nosso comunicado do ano passado:

“Eles visaram a Livros Revolução porque somos o centro intelectual de um movimento para a revolução que tem como objetivo gerar um mundo radicalmente diferente e muito melhor, tal como concebido pelo novo comunismo. A Livros Revolução junta pessoas para aprenderem sobre o mundo de uma maneira profunda, científica e revolucionária e para se empenharem nisso. A Livros Revolução trabalha para acabar com a supremacia branca, para emancipar as mulheres e para libertar toda a humanidade. Em oposição ao chauvinismo estreito de ‘os Estados Unidos em primeiro lugar’, nós baseamo-nos nos interesses das pessoas do mundo inteiro – e convidamos as pessoas a aprenderem sobre isso.”

“Nos alicerces da Livros Revolução estão a teoria e a liderança científicas mais avançadas para uma verdadeira revolução para emancipar a humanidade – a nova síntese do comunismo desenvolvida pelo líder revolucionário Bob Avakian. Os fascistas – apoiados e atiçados pelo regime no poder – odeiam tudo isto e querem ver isto esmagado e destruído.”

Ameaças como estas devem ser levadas a sério. Isto não é uma situação normal e não deve ser tolerado e apelamos às pessoas a condenarem estas tentativas de encerrar a nossa livraria como parte dos esforços deles para suprimir o pensamento crítico e as ideias radicais em toda a sociedade. Apelamos a que todas as pessoas nos apoiem e defendam esta importante livraria. No domingo, 4 de março, iremos exibir o filme de uma palestra de Bob Avakian sobre as raízes do regime de Trump e Pence, o perigo que este coloca à humanidade e a necessidade de uma massiva resistência não violenta para o expulsar do poder. Mais tarde nessa semana, na quinta-feira à noite, iremos celebrar o Dia Internacional da Mulher. E na sexta-feira iremos exibir um filme iraniano sobre a opressão das mulheres, The Circle [O Círculo]. E, durante toda essa semana, a nossa livraria estará aberta, como espaço de acolhimento e animação onde as pessoas podem encontrar e interagir com a literatura, e entre elas, para compreenderem a realidade que enfrentamos e como o mundo poderia ser radicalmente diferente.

Da organização Recusar o Fascismo (RefuseFascism.org):

A Recusar o Fascismo, Secção da Zona da Baía de São Francisco, nota com grande alarme que os fascistas visaram uma vez mais a Livros Revolução de Berkeley, desta vez ameaçando queimar a livraria! Tais ameaças, com este regime fascista de Trump e Pence, são perigosas em si mesmas e devem ser levadas a sério e simultaneamente também são uma parte alarmante da vil atmosfera política promovida pelo regime de Trump e Pence e pelos seus rufiões no terreno. A Livros Revolução desempenha um papel único e importante como parte da vida política, cultural e intelectual da Zona da Baía e tem estado profundamente envolvida na oposição ao regime. Todos os que se opõem ao fascismo devem apoiar a Livros Revolução e vir ajudá-la.

Este pesadelo tem de acabar!
O Regime de Trump e Pence tem de se ir embora!
Em nome da humanidade, RECUSAMO-NOS a aceitar uns Estados Unidos fascistas!

 


 

Da edição n.º 535, de 19 de março de 2018, do jornal Revolution/Revolución, voz do Partido Comunista Revolucionário, EUA (http://revcom.us/a/535/berkeley-emergency-program-fascists-want-to-burn-down-revbooks-we-must-defend-it-en.html, em inglês).

Programa de emergência em Berkeley: Por que os fascistas querem queimar completamente a Livros Revolução – e por que temos de estar unidos para a defender!

Vê o vídeo do discurso de Andy Zee (em inglês):

Vê o vídeo das declarações de apoio (em inglês):

A 3 de março, vários rufiões trumpitas tentaram entrar à força na Livros Revolução de Berkeley, situada perto do campus da Universidade da Califórnia. Eles tentaram forçar a entrada na livraria, atacaram verbalmente os voluntários que os impediram de entrar e ameaçaram: “Vamos queimar completamente a vossa livraria.” A livraria já antes tinha sido visada por fascistas da “direita alternativa”, mas esta foi a primeira vez que foi emitida uma ameaça assim. Como noticiámos antes (ver em inglês ou em castelhano), isto faz parte de uma escalada de costa a costa da repressão fascista contra os comunistas revolucionários e contra a Recusar o Fascismo.

Como parte da resposta a esta séria ameaça, a 18 de março houve um programa de emergência na Livros Revolução de Berkeley: “Por que os fascistas querem queimar completamente a LIVROS REVOLUÇÃO – um local sobre conhecer e transformar o mundo inteiro.” O programa incluiu um discurso de Andy Zee, porta-voz da Livros Revolução e um dos co-iniciadores da RefuseFascism.org.

Como diz a Livros Revolução: “Colocam-se claramente três futuros: o fascismo a consolidar-se no país mais poderoso do mundo com ecos a nível internacional; o sistema que uma vez mais originou o fascismo; e o potencial para um mundo radicalmente diferente e melhor. A Livros Revolução é o centro político, intelectual e cultural de um movimento para uma verdadeira revolução para gerar esse mundo melhor.”

“No âmago da Livros Revolução [LR] está o avanço inovador que tudo muda para se compreender cientificamente o mundo e a visão e a estratégia para essa sociedade radicalmente nova – para eliminar todas as formas de opressão e exploração, um mundo em que a humanidade possa verdadeiramente florescer: O Novo Comunismo desenvolvido por Bob Avakian.”

“A LR tem os livros que importam, o discurso crítico e uma conexão ao movimento para a revolução. A LR é uma livraria com literatura, história, ciência, arte, filosofia e teoria revolucionária – um lugar de descoberta e mobilização. Científica e poética, lutadora e visionária.”

É isto que os fascistas odeiam e tentam destruir. Eles devem ser parados.

Todos os que se preocupam com o futuro têm de se unir em defesa da Livros Revolução!

 


 

Da edição n.º 535, de 19 de março de 2018, do jornal Revolution/Revolución, voz do Partido Comunista Revolucionário, EUA (http://revcom.us/a/535/andy-zee-at-berkeley-emergency-program-en.html em inglês ou http://revcom.us/a/537/andy-zee-en-el-programa-de-emergencia-berkeley-es.html em castelhano).

Discurso de Andy Zee no Programa de Emergência em Berkeley

Por que os fascistas querem queimar completamente a Livros Revolução – e por que temos de estar unidos para a defender!


Clica na imagem para a ampliar.

Vê o vídeo do discurso de Andy Zee (em inglês):

Vê o vídeo das declarações de apoio (em inglês):

Livros Revolução de Berkeley
18 de março de 2018
Andy Zee, orador

Uma das minhas coisas que gosto mais de fazer é estar presente e falar na Livros Revolução – aqui em Berkeley ou em Nova Iorque.

Isto é assim mesmo quando o motivo desta conversa é opormo-nos ao horrendo ataque à Livros Revolução de Berkeley – o repelente e vil ataque pessoal misógino a Reiko, bem como aos restantes voluntários, que culminou numa vil ameaça de queimarem completamente a própria livraria. Estes fascistas não irão acabar com a Livros Revolução, não nos irão afastar da razão por que isto é um lugar precioso e essencial que encarna o futuro. E, NÃO!, o ataque deles não irá diminuir o nosso sentimento de objetivo ou de alegria no que representa a Livros Revolução.

Nós defendemos ambas as palavras do nosso nome: Livros e Revolução. Isto não é um slogan de marketing, é o que somos e encarna para quem e para quê existimos. É uma livraria sobre o mundo, para um mundo radicalmente novo. Um lugar que é guiado por um entendimento radicalmente novo e emancipador da segunda palavra do nosso nome – REVOLUÇÃO – tal como ela foi re-concebida no novo comunismo desenvolvido por Bob Avakian, o líder revolucionário que, devo salientar, é um “filho” de Berkeley – da Escola Secundária Yellowjackets de Berkeley e da Universidade da Califórnia em Berkeley.

Estes fascistas não irão diminuir a exaltação de podermos aprofundar as ricas e variadas explorações do mundo natural e social contidas nos livros que nos cercam, nem o compromisso de uns para com os outros e a emoção do diálogo e do debate sobre o mundo em que vivemos e sobre como poderíamos mudar isto coletivamente. Não, não vamos, não devemos deixar que Trump, Pence e os rufiões fascistas deles transformem a Livros Revolução e o potencial que ela, e a vida intelectual, política e cultural, contêm dentro das suas paredes num incêndio da Biblioteca de Alexandria do século XXI. E iremos manter-nos firmes contra esses ataques onde quer que eles ocorram.

O espetáculo medonho dos dois fascistas que atacaram a companheira Reiko e a livraria com a ameaça deles de a queimarem invoca e concentra a realidade atual não só que a Livros Revolução enfrenta, mas que todos nós enfrentamos. Toda e qualquer pessoa cujo trabalho, cuja moral, cujos valores aspirem a um mundo de diversidade, de eliminação da opressão de todas as pessoas, independentemente da sua nacionalidade, raça, género ou crenças, estão sob ataque. O duro futuro fascista ao serviço do qual atuaram estes rufiões tem impacto sobre todos os que dão valor ao pensamento crítico, à erudição e ao compromisso. Se vocês apreciam o que as artes contribuem para o nosso lado humano – para a extraordinária contribuição da imaginação para a vida mental e a riqueza vital da sociedade, o ataque a esta livraria é uma linha da frente da luta para vocês. O ataque à Livros Revolução é um ataque à própria verdade – à importância do método científico, à razão por que as evidências são importantes e mesmo à existência da realidade objetiva. Estas são ferramentas críticas, maneiras essenciais de pensamento sem as quais, neste momento da história humana, a nossa espécie e este planeta poderão não sobreviver. E não ignoremos o facto de que isto é um ataque ao discurso e à luta radicais que são o legado de Berkeley, ainda que saibamos que esta luta é maior que Berkeley.

Este ataque é um ataque contra tudo o que acabei de dizer e, como tal, não é nenhum acaso que a Livros Revolução [LR] tenha sido o alvo deles – 10 vezes nos últimos 6 meses. Por quê? Porque a LR encarna todos estes valores. E, além isso, é e continuará a ser o centro político, intelectual e cultural de um movimento para uma verdadeira revolução para criar um mundo libertador radicalmente novo. E esse mundo – ou francamente qualquer mundo que não seja o fascismo que hoje está a ser cimentado – depende de todos nós nos unirmos para defender esta livraria como frente no grande desafio deste ano, que é expulsar do poder o regime fascista de Trump e Pence.

Os vis vampiros que atacaram a LR não são só incentivados e atiçados por este regime, são também uma força de ataque – um movimento revanchista reacionário cujo objetivo é intimidar e atingir as pessoas para que aceitem e capitulem perante este fascismo. Como parte da sua missão, a Livros Revolução tem sido um local chave, um local de congregação onde as pessoas vêm aprender sobre este fascismo e as raízes dele e sobre como acabar com ele. A Livros Revolução de Nova Iorque organizou o primeiro fórum sobre o fascismo deste regime um mês depois da eleição de Trump e hoje as livrarias de Nova Iorque e Berkeley estão a divulgar o filme O Regime de Trump e Pence tem de se ir embora! Em nome da Humanidade, RECUSAMO-NOS a aceitar uns Estados Unidos fascistas, Um mundo melhor É possível, Uma Palestra de Bob Avakian – um filme que é obrigatório ver para se compreender o que enfrentamos e o que temos de fazer para o parar. Por isso, não estamos surpreendidos com o ódio deles à Livros Revolução e eles não nos irão dissuadir.

Não iremos recuar por causa de todos vós, por causa de todas as pessoas que podem e devem ser mobilizadas para defender a Livros Revolução. Devemos ver a luta para defender a LR como parte de uma grande causa, uma luta sem precedentes para reconhecer, organizar e agir decisivamente para parar o fascismo que se está a desenvolver perante nós. Todos podem fazer parte da divulgação da palavra e do forjar da unidade com princípios para que os milhões de pessoas ou mais que souberam do ataque à LR de Berkeley através dos vídeos e da cobertura mediática se possam tornar parte do movimento, não só de defesa da LR, mas contra todo o Regime de Trump e Pence.

O fascismo governa com base no terror e na violência abertos, no espezinhar dos direitos civis e legais, no esgrimir do poder do estado e na mobilização de grupos organizados de rufiões fanáticos para cometerem atrocidades contra as massas populares, em particular contra grupos de pessoas identificadas como “inimigos”, “indesejáveis” ou “um perigo para a sociedade”. E os livros e as livrarias são definitivamente todas estas três coisas para os fascistas. Devemos reconhecer que o ataque à LR não é uma ocorrência isolada. Na noite a seguir ao ataque à LR, foi partida uma janela do Groundwork Books Collective [Coletivo de Livros de Base] em San Diego e foi incendiada uma estante exterior. Há uma virulenta conexão entre estes grupos fascistas e o projeto do Regime de Trump e Pence para consolidar o fascismo neste país. Isto é mortiferamente sério e irei falar mais à frente sobre a nossa responsabilidade de pararmos isto.

Portanto, foram um objetivo e uma responsabilidade muito sérios que me trouxeram à LR de Berkeley mas, como já disse, isso não diminui a minha apreciação e alegria de estar na Livros Revolução e de a representar. As paredes ao nosso redor contêm uma coleção selecionada de livros que são importantes num lugar que é importante. Livros que são um repositório da experiência de pessoas do mundo inteiro ao longo dos milénios – histórias de vidas e de sonhos. Mas, mais que isso, a LR é um lugar que é uma ponte entre o mundo como ele é hoje, e o que poderia ser.

Deixem-me ler-vos uma coisa que anima a Livros Revolução:

Imaginemos que tínhamos uma arte e uma cultura totalmente diferentes. Vejam, basta disto das “cadelas e p*” e das brigadas SWAT a pontapear portas. Basta desta merda do “rebaixem-se”. E por que razão são sempre as mulheres que têm de se rebaixar? Já temos uma situação em que as massas das mulheres e as massas populares são empurradas para baixo e mantidas bastante em baixo. É tempo de nos erguermos e de nos mantermos erguidos.

Imaginem que tínhamos uma sociedade em que havia uma cultura – e, sim, que fosse vigorosa e cheia de criatividade e energia e sim, com ritmo e exaltação mas que, ao mesmo tempo, em vez de degradar as pessoas, as levantasse. Imaginem que ela nos dava uma perspetiva e uma realidade do que significa criar uma sociedade totalmente diferente e um mundo de um tipo totalmente diferente. Imaginem que ela apresentava os problemas às pessoas que estavam a criar este tipo de mundo e as desafiava a enfrentarem esses problemas. Imaginem que também a arte e a cultura – os filmes, as canções, a televisão, tudo – desafiavam as pessoas a pensarem criticamente, a olharem para as coisas de uma maneira diferente, a verem as coisas a uma luz diferente, mas com tudo isto a apontar para a maneira como poderíamos criar um mundo melhor.

Imaginem que as pessoas que criam a arte e a cultura não eram apenas um punhado de pessoas mas todas as massas populares, com toda a energia criativa delas libertada e que lhes fosse atribuído tempo para fazerem isso e se juntarem às pessoas que sejam mais trabalhadores a tempo inteiro e a criadores nos campos da arte e da cultura para criarem algo novo que desafiasse as pessoas, que as fizesse pensar de diferentes maneiras, que as fizesse conseguirem ver as coisas de uma maneira crítica e de um ângulo diferente, e que as ajudasse a se levantarem e verem a unidade dumas com as outras e com as pessoas em todo o mundo para porem fim a todos os horrores que nos ensinam que são apenas a ordem natural das coisas. Imaginem tudo isto.

Estas palavras são de Bob Avakian, publicadas em O BÁsico, das palestras e textos de Bob Avakian (em inglês, também disponível em castelhano), retiradas do filme dele de 2003, Revolução: Por que é necessária, por que é possível, o que é (em inglês, também disponível em castelhano).

Isto são valores e maneiras de ser que as primeiras revoluções comunistas do século XX iniciaram. Mas essas revoluções já não existem, derrotadas pela força do sistema imperialista dominante, bem como pelas suas próprias limitações na compreensão e na prática. Depois destas derrotas, dado que a luta por uma revolução totalmente emancipadora não tinha morrido, Bob Avakian pôs-se a trabalhar. Ao longo de mais de 40 anos de estudo e luta – na prática liderando o movimento para a revolução e desenvolvendo a teoria que poderia ser vitoriosa e gerar uma sociedade plenamente libertadora, ele desenvolveu um novo comunismo. Peneirando a experiência anterior, considerando as mudanças ocorridas no mundo desde então, absorvendo o trabalho de outros campos de investigação, ele desenvolveu uma nova síntese do comunismo que de facto pudesse criar um mundo muito melhor – uma sociedade radicalmente nova em que as pessoas pudessem trabalhar coletivamente na eliminação de todas as divisões de opressão e exploração que hoje existem, uma sociedade nova que poderia, no final, chegar à emancipação humana no mundo inteiro.

***

Vivemos hoje um momento em que estamos a encarar de frente um fascismo norte-americano – o qual põe em perigo as vidas aqui e em todo o globo. A semana passada acolhi o grande escritor queniano Ngũgĩ wa Thiong’o na LR de Nova Iorque, que leu parte das memórias dele da prisão, Wrestling with the Devil [Lutando Com o Diabo]. Uma jovem do Quénia falou depois comigo e disse-me: o povo norte-americano tem de perceber que, quando vota, isso não o afeta só a ele, pode causar danos a toda a gente no mundo inteiro.

Hoje em dia, em todo o globo, dezenas de milhões de pessoas fogem das suas casas – para escaparem à guerra, à fome e a doenças desnecessárias, tudo isto provocado e exacerbado pelo sistema capitalista-imperialista dominante. Elas são pessoas... com sonhos e com contribuições a fazer. As vidas delas não são menos preciosas que as vidas dos norte-americanos. Sessenta e cinco pessoas afogaram-se no sábado passado quando o barco delas, vindo da Turquia, se virou no Mediterrâneo. A fome assola a Somália e até o norte do Quénia. Está a ocorrer um genocídio em Ghouta, na Síria, com um segundo genocídio em gestação no Congo à medida que virulentos bandos e milícias competem pelo fornecimento do coltan necessário aos nossos telefones celulares e aparelhos eletrónicos.

Quando tais horrores se propagam pelo mundo inteiro, com a ameaça de uma guerra nuclear e de uma devastação ambiental a penderem sobre o mundo à medida que o Regime de Trump e Pence avança rapidamente, o facto de haver a Livros Revolução imbuída com uma marca do novo comunismo – o facto de que ou o mundo inteiro se liberta e as pessoas se emancipam em todo o lado ou nenhum de nós o fará. Esta é uma das razões por que a LR acolhe vozes e literaturas de países e diásporas de todo o mundo.

Pensem sobre que diferença faria o tipo de visão e abordagem para criar uma cultura radicalmente nova como a que estava na citação de “Imaginem” que li antes. Como isso poderia abrir às pessoas perspetivas que de outra maneira estariam escondidas. Pensem nesta visão e depois contrastem com a cultura auto-obcecada de hoje: imaginem que esta cultura inteiramente nova “apresentava os problemas às pessoas que estavam a criar este tipo de mundo e as desafiava a enfrentarem esses problemas”. Aqui mesmo há um vislumbre de um ponto de partida do método e da abordagem de Bob Avakian – colocando perante as pessoas os problemas da revolução, da criação de uma sociedade inteiramente nova – e não deixando de liderar ao fazer as perguntas certas e ao fornecer orientação, mas envolvendo as massas populares no trabalho coletivo nas soluções. Isto envolve não só a cultura, mas a economia, a forma de um estado radicalmente diferente que acabará por eliminar a necessidade dos estados, do ensino, da comunicação social, combatendo todas as formas de opressão e as ideias retrógradas que reforçam essa opressão. Esta visão e este plano estão disponíveis na LR na Constituição Para a Nova República Socialista na América do Norte, escrita por Bob Avakian (em inglês, também disponível em castelhano).

Este método e abordagem que perpassam a estratégia e a visão para a nova sociedade também são aquilo que nos esforçamos por aplicar hoje na Livros Revolução. De que tipo de atmosfera empenhada precisamos? Como é que se aborda a colocação destas questões às pessoas? Através de que método e abordagem as pessoas lidam com as GRANDES questões: Que tipo de mundo queremos e que tipo de pessoas poderíamos ser? Como é que eliminamos as enormes divisões entre os povos que tanto pesam sobre a humanidade? Através de que método e abordagem identificamos e aprofundamos o problema fundamental que enfrentamos no sistema capitalista e a maneira como ele molda todas as outras formas de opressão que têm infestado as pessoas há milénios. Porquê e como é que a revolução é a solução? Como é que criamos o tipo de discurso com princípios e a luta demarcadora sobre as ideias, a filosofia, a estratégia e os planos para combater o poder e transformar as pessoas para a revolução? Ainda que este método e abordagem seja o que o pessoal da LR se esforça por usar como modelo, a melhor maneira de conhecerem isto é visionando os filmes de Bob Avakian e lendo O NOVO COMUNISMO (em inglês, também disponível em castelhano) e O BÁsico (em inglês, também disponível em castelhano).

O âmago do novo comunismo é uma abordagem científica a toda a realidade e à revolução em particular. É um avanço qualitativo na colocação do comunismo numa base consistentemente e completamente científica. Porque é que isto é importante?

Ardea Skybreak, no livro CIÊNCIA E REVOLUÇÃO, Sobre a Importância da Ciência e a Aplicação da Ciência à Sociedade, a Nova Síntese do Comunismo e a Liderança de Bob Avakian (em inglês, também disponível em castelhano), que distribuímos na LR, parafraseia Neil deGrasse Tyson, que disse: “A ciência permite-nos confrontar e identificar os problemas, reconhecer os problemas e entender como resolvê-los, em vez de fugirmos deles.” Ela continua: “É uma ferramenta – a ciência – uma ferramenta muito poderosa. É um método e uma abordagem para se conseguir distinguir o que é verdade, o que realmente corresponde à realidade tal como ela é de facto. (...)”

E ela continua salientando o seguinte ponto:

Sem a ciência, só podemos dizer o que cada um de nós, enquanto indivíduos, pensa que é a realidade, ou talvez possamos dizer o que todo um grupo de pessoas pensa que é a realidade, ou talvez possamos dizer o que um governo ou uma autoridade religiosa ou alguma outra autoridade nos possam dizer que é a realidade, mas isso não torna nada disso verdadeiro. Sem a ciência estamos à mercê de sermos manipulados, de termos o nosso pensamento manipulado e de não conseguirmos distinguir o que é correto do que é errado, o que é verdadeiro do que é falso.

Ninguém pode acusar Donald Trump de estar minimamente preocupado com o que é verdadeiro. Ninguém com consciência pode pensar que Mike Pence, que é um literalista bíblico e como tal não acredita na teoria da evolução, se preocupa com provas reais e com a realidade objetiva. Os membros do governo Pruitt, DeVos, Carson, Zinke, Perry e aquele insanamente cruel Gorsuch que Trump nomeou para o Supremo Tribunal de Justiça – constituem uma cabala de fascistas cristãos lunáticos que negam a verdadeira realidade ao mesmo tempo que empurram a irreal realidade fascista deles pela goela do mundo abaixo.

Para este regime, para o duo de rufiões idiotas que ameaçaram “queimar completamente” a Livros Revolução usando os bonés “Fazer com que os Estados Unidos voltem a ser grandiosos” de Trump ao mesmo tempo que vomitavam vis afrontas supremacistas brancas e antimulheres aos voluntários da LR – para eles, a LR é um anátema a destruir. Uma livraria cuja missão é fornecer os livros e a mobilização com os quais as pessoas possam aprofundar cientificamente os problemas fundamentais deste sistema e descobrir e aprender como o combater e, em última instância, como o substituir através da revolução é tudo o que estes fascistas temem.

A Livros Revolução é o lugar para aprofundar os porquês e o como do fascismo que cresce em todo o mundo, e especialmente aqui com o Regime de Trump e Pence. Na LR, através da obra de Bob Avakian, as pessoas investigam nas raízes deste fascismo em toda a história dos EUA. Uma maior escavação da natureza deste sistema revela por que intratáveis problemas centrais como a opressão dos negros, dos imigrantes, das mulheres, a destruição do meio ambiente e dos povos do mundo através das guerras e ocupações norte-americanas pelo império – a que chamamos os “Cinco Parar”, não podem ser resolvidos sob este sistema. É por isso que precisamos de uma revolução. O nosso objetivo final é, como tenho dito, um futuro radicalmente diferente do que o fascismo de Trump e Pence, ou também do que um regresso a um futuro do “normal” funcionamento opressor do sistema capitalista-imperialista. Em vez disso, defendemos um salto para um terceiro futuro, diferente e melhor, através de uma revolução que aponte para um mundo em que a humanidade possa verdadeiramente florescer.

A ameaça de queimar completamente a LR deve ser levada a sério. Primeiro, porque é o local de mobilização e popularização da teoria e da liderança para uma revolução que levará a uma sociedade radicalmente nova na via para a emancipação humana que estão na obra e na liderança de Bob Avakian, sobre as quais tenho estado a falar. Mas também porque a ameaça de incendiar livrarias (e a tentativa de o fazerem de facto no Groundwork Books Collective em San Diego) é um sério aviso em relação à crescentemente arrojada tomada de iniciativa dos fascistas para refazerem a sociedade.

Deve dizer-se aos académicos e outras pessoas com quem a LR falou e que disseram aos voluntários da LR que estavam desolados por esta ameaça ter sido feita contra a LR, e que também nos desejavam o melhor, mas que não veem nenhum perigo iminente ou argumentam que saiamos sozinhos a denunciar isto e assumamos a luta pela expulsão do Regime de Trump e Pence, a essas pessoas temos de dizer: acordem, caramba. Retirem a vossa cabeça da areia ou de onde quer que ela esteja alojada, e vejam o que está a acontecer, não só à LR e ao pensamento radical, mas a toda a gente – aos 11 milhões de imigrantes, aterrorizados pela espada da deportação e da detenção; às mulheres a quem Mike Pence disse que muito em breve iriam perder o direito ao aborto; aos jovens sobre quem Trump disse à polícia que os “tratassem violentamente”, às incrivelmente draconianas leis repressivas que estão a ser promulgadas a todos os níveis, e sobretudo às pessoas em todo o mundo que enfrentam uma devastação ambiental e uma possível guerra nuclear às mãos deste regime fascista. E isto não é senão metade das coisas. Não digam que o fascismo não pode acontecer aqui. Não se tranquilizem a vocês mesmos porque não querem sair da vossa zona de conforto, porque pensam que podem sobreviver, que o fascismo ainda não vos afetou diretamente, e que isto não é fascismo. Se se ajustarem e acomodarem a uma grande injustiça feita a outros, estarão a ajudar e a auxiliar o avanço do fascismo.

Sim, as ameaças de queimar livrarias aqui ainda não são o 10 de maio de 1933, o dia em que foram queimados 20 mil livros em concentrações nazis por toda a Alemanha. Mas o eco está presente hoje dado que os fascistas têm como objetivo legitimar o fascismo nas universidades sob a falsa bandeira da “liberdade de expressão”.

O pensamento crítico, o rigor intelectual e a razão estão sob ataque de um regime que tem o controlo de todos os três ramos do governo, que hoje comanda dois terços das câmaras [parlamentos] estaduais e que é apoiado por uma base social fascista que não encolheu, antes apenas fortaleceu a sua determinação com um núcleo de perigosos seguidores lunáticos que não irão parar perante nada para conseguirem chegar aos Estados Unidos supremacistas brancos, xenófobos, odiadores de mulheres e fascistas deles, cimentados na lei e no poder.

A forma política do fundamentalismo cristão a que com exatidão chamamos fascismo cristão e o fascismo supremacista branco dos “Estados Unidos em primeiro lugar” de Trump têm necessariamente de atacar a razão, o pensamento racional e uma abordagem científica à realidade baseada em evidências. A amplitude da literatura e dos estudos sérios sobre as raízes da supremacia branca, do ambiente, das origens e da continuação da prevalência da opressão de género, da divisão do mundo em nações imperialistas e nações neocoloniais oprimidas são simultaneamente a luz do dia e uma cruz para estes vampiros que ironicamente se vestem com o manto da religião.

Durante os últimos mais de 25 anos, Bob Avakian [BA] analisou profundamente a ascensão e o desenvolvimento do fascismo no mundo, com um foco no seu desenvolvimento nos EUA. Ele tem salientado que nós, comunistas, que estamos a trabalhar para gerar uma revolução total, lutaremos para apoiar e defender o aspecto do Iluminismo que afirma que o mundo é conhecível em toda a sua complexidade e que promove a ciência e o método científico. Mas com duas diferenças críticas.

Primeiro, e cito BA: “A verdade não nos irá libertar, em si e a partir de si mesmo, mas nós não nos libertaremos sem a verdade.” A verdade não irá simplesmente vencer de uma maneira inevitável, devemos lutar por isso. Na Livros Revolução, apreciamos e empenhamo-nos na filosofia, na arte e nas ideias por direito próprio, mas não por si mesmas. Para aqueles de vós que viram O Jovem Marx de Raoul Peck, esse filme mostra o desenvolvimento de Marx em que ele disse: “os filósofos limitaram-se a interpretar o mundo, de várias maneiras; o importante é transformá-lo”. O princípio crítico pelo qual BA tem lutado contra todas as formas de social-democracia é que as ideias – incluindo as ideias corretas – se tornam “operacionais” na sociedade no seu todo, tem de haver uma luta, uma luta de classes, em última instância uma revolução. E, segundo, não defendemos a convicção que há no Iluminismo de que o papel dos “iluminados” é “civilizar” os povos e as nações “atrasados”, o chamado “fardo do homem branco” que vê o “Iluminismo” como um instrumento positivo e uma justificação para o colonialismo e a dominação imperialista.

Ao mesmo tempo, na LR apreciamos a importância do compromisso científico, intelectual e artístico por direito próprio e procuramos aprender com toda a experiência humana. Em relação a isto, Avakian faz uma importante rutura com a anterior teoria comunista com a compreensão de que a verdade não tem um caráter de classe. O que é verdade é-o porque corresponde à realidade.

Estas são algumas das escoras e alicerces teóricos pelos quais vocês estão sentados neste lugar incrível com a amplitude de livros e experiência da humanidade que vos cerca. Pelas quais há eventos nas livrarias da Livros Revolução com autores e estudiosos de todo o mundo. Foi por isso, por exemplo, que a espantosa jovem escritora ganesa-americana Yaa Gyasi leu o primeiro romance dela, Homegoing [Indo Para Casa], na Livros Revolução de Nova Iorque e de Berkeley e sobre o qual tivemos profundas discussões. Conta uma jornada épica que vai da escravatura no Gana à passagem intermédia para a escravatura nos EUA e finalmente até hoje, indo de um lado para o outro entre o Gana e os EUA, revelando como esta história tem impacto nos atuais descendentes de duas irmãs que aparecem no início do romance – um ramo da família no Gana, o outro nos EUA.

A LR é, como nós dizemos, uma livraria sobre o mundo e para um mundo radicalmente novo. Pessoas do mundo inteiro vêm à Livros Revolução e estas livrarias são locais que ajudam a divulgar o novo comunismo em todo o mundo. Também isto é importante, dado que há forças no mundo que estão neste momento a lutar para adotarem e aplicarem este novo comunismo à participação delas na revolução mundial.

Já falei de Ngũgĩ wa Thiong’o, um amigo da Livros Revolução, um escritor e teórico literário que abre o primeiro volume da autobiografia dele com a seguinte epígrafe do poeta Martin Carter: “Não durmo para sonhar, sonho para mudar o mundo”, Bob Avakian escreveu: “Se não temos um espírito poético – ou pelo menos um lado poético – é muito perigoso liderarmos um movimento marxista ou sermos líderes de um estado socialista.” A LR é um lugar que faz voar a imaginação, para um mundo como ele realmente poderia ser.

Voltemos mais uma vez atrás e recordemos os rostos distorcidos e fanáticos dos dois fascistas que ameaçaram a LR e que se chamam a si mesmos “chauvinistas ocidentais” – um conceito encharcado em sangue que é simplesmente mais uma expressão pomposa do Trump a chamar “países latrinas” à África e ao Haiti.

Contrastem este chauvinismo venenoso com esta citação de O BÁsico, que guia a Livros Revolução: “Internacionalismo – O mundo inteiro em primeiro lugar”.

O contraste entre dois futuros não poderia ser mais agudo. O fascismo contra uma livraria e um movimento para a revolução dedicado a uma abordagem científica ao conhecimento e à transformação do mundo – uma livraria dedicada à emancipação de toda a humanidade.

De um lado, um regime fascista encabeçado por um predador sexual racista, psicopata e narcisista que exemplifica a ignorância dos Estados Unidos à medida que ele tenta impor o seu paradigma de “vencedores e vencidos”. Atrás dele, como disse a RefuseFascism.org, está um setor de poderosas forças da classe dominante que veem em Trump e em Pence o veículo para um Fascismo Norte-Americano: o Destino Manifesto e o excecionalismo norte-americano, um fascismo embrulhado na Bíblia interpretada de uma maneira literal e a bandeira norte-americana, impregnados de racismo, misoginia e xenofobia. Com uma legião de ignorantes inchados – rufiões ressequidos e sedentos de vingança – que se mantêm fieis às ilusões de superioridade deles e agora apoiados pelo estado mais poderoso do mundo.

Do outro lado, está tudo aquilo de que falei e que está concentrado nesta livraria. Não se trata apenas dos voluntários nem do lugar, embora também seja isso, trata-se de todas as pessoas que odeiam a injustiça e todas as formas de opressão e exploração. Trata-se das aspirações da humanidade a viver num mundo diferente e muito melhor. Trata-se da ciência, da visão, da estratégia e da liderança para uma revolução verdadeiramente emancipadora.

Que vai acontecer? Isso compete-nos a nós. Vamos erguer-nos contra este regime e os seus gângsteres? Vamos lutar com os nossos amigos, famílias, colegas de trabalho, professores e estudantes, na realidade com cada um e com todos os que pudermos unir de uma maneira ampla para expulsar do poder este regime? Vamos lutar com os nossos amigos, famílias, colegas de trabalho, professores e estudantes – e mesmo com nós próprios, para nos empenharmos no novo comunismo de Bob Avakian, a teoria libertadora mais radical para transformar o mundo inteiro e a nós próprios nesse processo – uma teoria que é uma revolução na maneira de pensar e uma inovação na estratégia e na conceção de uma nova sociedade na via para a emancipação humana. O facto de haver uma saída da loucura e do horror é causa para celebrarmos e a Livros Revolução é o lugar para essa festa.

 


 

Da edição n.º 535, de 19 de março de 2018, atualizada a 20 de março, do jornal Revolution/Revolución, voz do Partido Comunista Revolucionário, EUA (http://revcom.us/a/535/berkeley-emergency-program-en.html, em inglês).

Programa de emergência para defender a Livros Revolução de Berkeley contra os ataques fascistas

Cerca de 70 a 75 pessoas encheram a Livros Revolução de Berkeley a 18 de março para o programa de emergência que incluiu um discurso de Andy Zee sobre “Por que os fascistas querem queimar completamente a Livros Revolução – e por que temos de estar unidos para a defender!” Estiveram presentes muitos amigos de longa data e mais recentes da Livros Revolução e ativistas que têm trabalhado com a Recusar o Fascismo. Havia cerca de 10 estudantes, incluindo alguns que estão envolvidos nas sessões de estudo de O NOVO COMUNISMO (em inglês, também disponível em castelhano) ou que estiveram recentemente presentes nas apresentações e discussões feitas na livraria do filme de Bob Avakian, O Regime de Trump e Pence tem de se ir embora! Em nome da humanidade, RECUSAMO-NOS a aceitar uns Estados Unidos fascistas, um mundo melhor É possível. Havia pessoas da indústria livreira e pessoas que se preocupam apenas com os livros e não querem ver queimas de livros nos dias de hoje. E havia muitas pessoas novas que vieram porque tinham visto online o vídeo do que tinha acontecido e que queriam lá estar a apoiar a livraria e descobrir o que ela é.

O programa abriu com a exibição do vídeo da Now Hear This [Agora Ouçam Isto] do ataque fascista de 3 de março à Livros Revolução, o qual já foi visto por 2,7 milhões de pessoas só no Facebook. Seguiram-se-lhe várias declarações de apoio gravadas em vídeo ou escritas – de David Gunn Jr. (filho do primeiro médico que fazia abortos assassinado por extremistas antiaborto), Peter Coyote e outros – os quais foram lidos. O professor Jonathan Simon, da Escola Boalt de Direito da Universidade da Califórnia em Berkeley, falou de uma maneira poderosa sobre o perigo histórico e atual de os liberais se manterem silenciosos enquanto os fascistas atacam os revolucionários, em última análise tornando mais fácil que o fascismo esmague a democracia liberal. Andy Zee fez uma importante e exaltante apresentação, infundida com o espírito do novo comunismo de Bob Avakian e tornando vivas as palavras livros e revolução que são o que é a Livros Revolução, a relação entre conhecer e transformar radicalmente o mundo. Terminou com um desafio a que todas as pessoas que se preocupam com a verdade, a justiça e o pensamento crítico apoiem a Livros Revolução, se unam para expulsar este regime fascista de Trump e Pence e se envolvam com este novo comunismo. Seguiu-se-lhe uma hora de perguntas e respostas. Foram recolhidos mais de 1000 dólares para a Livros Revolução e muitas pessoas preencheram formulários para se voluntariarem e participarem.

Declarações enviadas à Livros Revolução

De David Gunn Jr.

O fim de semana passado, estava eu a percorrer mecanicamente o meu feed do Facebook quando vi um vídeo da Now Hear This [Agora Ouçam Isto] que documentava um bando fanático de apoiantes de Trump que enfrentavam agressivamente o pessoal voluntário de uma livraria da Livros Revolução em Berkeley, Califórnia. À medida que eu via a fúria da multidão MAGA [“Fazer com que os Estados Unidos voltem a ser grandiosos”] a se intensificar e que se tornava evidente que as suas ações eram movidas por uma combinação de medo, intolerância política, ódio nativista, opressão misógina e simplesmente uma maneira de pensar claramente racista, fiquei impressionado com duas coisas: 1) a coragem e restrição dos voluntários da livraria; e 2) a ira explosiva dos seus atacantes. Já antes tinha visto este mesmo tipo de intolerância. É o mesmo tipo de intimidação que é usado pelas pessoas que protestam contra o aborto. O ódio absoluto que ele promove é o mesmo tipo de ira incontrolável que levou Michael Griffin a assassinar o meu pai. É perigoso quando desenfreado e tipicamente isto termina em verdadeira violência e morte.

Obviamente, estas pessoas, motivadas e encorajadas pelo regime de Trump e pelo medo da dissensão política que ele gera, querem eliminar tudo e todos os que eles veem como “outros”. Eles querem silenciar. Eles desejam a súplica. Eles querem a resignação. Hoje estou com os voluntários da Livros Revolução de Berkeley – e com a resistência anti-Trump em geral, e digo “foda-se, não”, não nos vamos resignar, ficar silenciosos ou prostrar-nos a Trump ou aos apoiantes desvairados dele. Todos devemos apoiar estes corajosos voluntários e dizer NÃO ao regime de Trump e Pence e aos extremistas MAGA. Não resistir torna-nos cúmplices e afronta a coragem e o sacrifício dos voluntários.

Obrigado aos voluntários da Livros Revolução de Berkeley pela dedicação deles. A vossa recusa a se prostrarem ao extremismo e o vosso serviço à liberdade é bela e justa.

David Gunn Jr. é filho do Dr. David Gunn, o primeiro de vários médicos que faziam abortos que foram assassinados por extremistas antiaborto.

****

De Ula Taylor, Cátedra de Estudos Afro-Americanos, Universidade da Califórnia em Berkeley:

A Livros Revolução é mais que uma livraria! É um lugar que encoraja o pensamento crítico e o amor transformador. Temos de apoiar, proteger e defender a Livros Revolução! A luta deles é a nossa luta!

Calorosamente,

****

De Kathleen Caldwell, da livraria A Great Good Place for Books [Um Grande e Bom Lugar para Livros], Oakland:

Como proprietária de uma livraria independente, apoio o direito da Livros Revolução à liberdade de expressão e o direito deles a se recusarem a atender manifestantes de direita disruptivos, ignorantes, abusivos e blasfemos.

Estamos a viver tempos assustadores.

Temos um presidente que fez do chamar nomes, mentir e intimidar a norma nacional.

Estou com a Livros Revolução e espero que outros se juntem a mim.

Sinceramente,

****

Da City Lights Booksellers and Publishers [Livreiros e Editores Luzes da Cidade]:

Todos nós na City Lights Books ficámos perturbados ao ouvir falar das recentes tentativas de intimidar e encerrar a Livros Revolução por esta exercer os seus direitos consagrados na 1ª Emenda [da Constituição norte-americana]. Estamos solidários com os nossos companheiros livreiros e com todos os que exercem os direitos deles a pensarem livremente, a publicarem e a defenderem as suas convicções. E estamos firmemente contra aqueles que tentam abafar a dissensão.

****

Da Aliança de Crianças do Médio Oriente:

A Aliança de Crianças do Médio Oriente está com a Livros Revolução quando esta se opõe ao fascismo sob todas as suas formas. Esta livraria tem sido um recurso crítico para todos os que, na Zona da Baía e para além dela, estão a lutar por um mundo mais justo.

****

De Vegas Tenold, autor de Everything You Love Will Burn [Tudo o Que Amas Irá Arder]:

Há pouco mais de um ano, eu estava a entrevistar Richard Spencer num café em DC. Ele estava a explicar em voz alta como, se fosse por ele, as mulheres não seriam encorajadas a entrar no ensino superior. Numa mesa próxima estava um grupo de jovens mulheres, uma das quais se levantou e veio até nós. Sem o deixar falar, ela explicou-lhe, pacientemente, como se fosse a uma criança, como ele era a última pessoa na Terra que deveria exprimir uma opinião sobre o que as mulheres devem ou não fazer e que as ideias e opiniões de lixo dele não eram tão ofensivas quanto eram cómicos. Vi como a mulher reduziu o conhecido Richard Spencer a um menino ruborizado e gaguejante e, quando ela terminou, deixou-o a olhar fixamente para os restos do chá dele. Ficámos ali sentados durante uns desajeitados cinco minutos porque Spencer disse que, se se fosse embora nesse momento, a mulher iria pensar que tinha ganho. Isso não foi importante. Ele poderia ter ficado lá sentado durante cinco anos. Ela tinha-o demolido completamente sem um pingo de suor. Quando se combate o racismo, o fanatismo e o ódio, nunca devemos esquecer que os nossos argumentos são muito, muito melhores que os deles e que quando eles nos ameaçam com violência é porque sabem que não nos podem atingir com palavras. A maneira de derrotar a extrema-direita é com o conhecimento e com opiniões ruidosamente sonoras. É através da união e da organização. É criando um movimento em que toda a gente esteja envolvida, em particular as mulheres e as pessoas de cor que sabem quão poderosas elas realmente são. Para o fazermos, precisamos de lugares como a Livros Revolução. Eu realmente gostaria de poder estar aí hoje, mas fico contente por vocês estarem a fazer o que estão a fazer e estou emocionado com a vossa coragem a enfrentarem essas pessoas. Vejo-os da próxima vez que eu estiver em Berkeley.

****

De Peter Coyote:

Olá a todos. O meu nome é Peter Coyote e tenho muitos amigos na Livros Revolução. De facto, não há ninguém com quem eu goste de discutir melhor que as pessoas na Livros Revolução.

E é com humor, e isso é fundamental. Não concordamos em muitas coisas. Mas há uma coisa com a qual concordamos, e ela é a importância da 1ª Emenda. E nenhum intelectual sério e dedicado – como os que, a propósito, trabalham numa livraria maravilhosa – deveria ter de receber a fúria, os insultos e as ameaças diretas de violência física que a Livros Revolução está a receber.

É tempo de nos erguermos e de contarem connosco. Não temos de ser comunistas, nem socialistas nem democratas liberais para compreendermos a importância de uma livraria politicamente livre e aberta e a necessidade de proteger o direito de outras pessoas à liberdade de expressão. Se fosse uma livraria fascista, torceria o meu nariz, mas estaria a dizer a mesma coisa, desde que eles estivessem a exprimir as opiniões deles de uma maneira pacífica e não agressiva, dado que eles têm esse direito ao abrigo da Constituição. E qualquer pessoa que negue isto está basicamente a agir de uma maneira antiamericana – mesmo que esteja a usar um boné que diz “Fazer com que os Estados Unidos voltem a ser grandiosos”.

Obrigado a todos os que estiveram presentes esta noite; peço desculpa por não o poder fazer. Mas isto não é um assunto local de Berkeley, é um assunto nacional. Com a própria imprensa sob ataque, com os próprios factos sob ataque, precisamos de nos unir, de nos ajudarmos uns aos outros.

Muito obrigado.