Ribeiro Santos e
Alexandrino de Sousa:
A honra de morrer
por uma causa imortal!

Mantendo a tradição, um punhado de revolucionários rumou ao Cemitério da Ajuda para uma pequena homenagem a Ribeiro Santos e a Alexandrino de Sousa, dois jovens estudantes revolucionários mortos no calor do combate revolucionário. O primeiro foi morto pela PIDE em 1972, com a cumplicidade dos revisionistas do PCP, enquanto o segundo morreu em combate com neo-revisionistas.

A pequena homenagem, organizada pelo Pró-Centro de Estudos Operários - Memória Laboral (Pró-CEO-ML), efectuou-se este ano durante a manhã de sábado, dia 9 de Outubro, aniversário da morte de Alexandrino de Sousa. Alexandrino era militante do MRPP, lutou contra o fascismo, foi perseguido pela PIDE e, depois do 25 de Abril, manteve-se fiel ao seu espírito revolucionário, lutando pela construção de uma nova sociedade, combatendo os desvios revisionistas e neo-revisionistas. Na altura da sua morte, integrava uma brigada de divulgação de uma homenagem a Ribeiro Santos, cujo aniversário da sua morte ocorreria 3 dias depois.

Num ambiente de combate e preparação para as grandes batalhas que se avizinham, os revolucionários presentes na romagem fizeram intervenções políticas junto às campas de Ribeiro Santos e Alexandrino de Sousa, leram um poema de homenagem e evocaram o seu exemplo de heroísmo e dedicação à causa da Revolução.

12 de Outubro de 2004

Mais informação sobre Ribeiro Santos