Do jornal “Diário de Notícias” de 15 de Outubro de 1972:

A SAÍDA DO FUNERAL
DO ESTUDANTE DE DIREITO
DEU ORIGEM A DESACATOS
QUE OBRIGARAM À INTERVENÇÃO
DA FORÇA PÚBLICA

O funeral do estudante José António Leitão Ribeiro dos Santos (que há dois dias faleceu no Hospital Santa Maria em consequência dos incidentes no Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras) provocou ontem, ao princípio da tarde, um recontro entre a polícia e grupos de pessoas, na sua maioria estudantes, que se encontravam concentrados no Largo de santos, em frente da casa do universitário, donde partiu o féretro a caminho do cemitério da Ajuda.

O clima de sossego e muita ordem que procedera a saída da urna não fazia prever os ulteriores acontecimentos.

Aos ombros de colegas da Faculdade, a urna saiu de casa cerca das 15h30m, mas, em vez de ser depositada no carro funerário, foi transportada para o enfiamento da Rua das Janelas Verdes.

Gerou-se natural confusão entre os agentes da autoridade, apanhados um pouco de surpresa com o desenrolar dos acontecimentos. Em breve espaço de minutos os polícias tomaram, porém, as suas posições, fazendo-os dispersar.

Ainda antes de chegarem novos reforços, algumas centenas de jovens agrediram à pedrada os agentes da autoridade, tendo um deles sido atingido na cabeça e imediatamente transportado num táxi ao hospital de São José.

Entretanto, o caixão permanecia aos ombros dos jovens universitários na Rua das Janelas Verdes, os quais teimavam em transportar a urna a pé até ao cemitério.

A polícia tentou removê-los, dizendo que, por postura municipal, são proibidos em Lisboa os funerais a pé. Perante a irredutível negativa dos jovens estes foram obrigados, à força, a desistir dos seus intentos.

Aos ombros de vários polícias o caixão foi metido dentro do carro funerário, iniciando-se então o cortejo automóvel que seguiu pela avenida de Ceuta, Auto-Estrada e Restelo até ao cemitério da Ajuda, não havendo mais distúrbios a registar.

Durante o resto da tarde, grupos de indivíduos, na sua maioria jovens estudantes, partiram, à semelhança do dia anterior, várias montras de estabelecimentos bancários na Avenida Duque de Loulé, registando-se em outras partes da cidade, nomeadamente no Intendente, onde ficaram feridos alguns polícias e estudantes.

*

Nos vários incidentes verificados, ficaram feridos, tendo recebido tratamento no Hospital de S. José, os guardas da P.S.P. Fernando Rodrigues Costa, de 31 anos, residente na Rua D. Fuas Roupinho, 19, 2º Esq, Alexandre Martins da Costa Rodrigues, de 27 anos, e António José Guimarães Fonseca, de 25 anos, e os estudantes José dos Santos Escorval, de 27 anos, e seu irmão António Catarino dos Santos Escorval, residente em Corroios.