Organizações maoistas de massas organizam conferências no Nepal
9 de Outubro de 2006. Serviço Noticioso Um Mundo a Ganhar.

Recebemos o seguinte relato de Purna, um apoiante do Partido Comunista do Nepal (Maoista). As organizações de massas lideradas pelo Partido Comunista do Nepal (Maoista) têm vindo a realizar conferências públicas em Katmandu. Durante os dez anos de combates da guerra popular, até ao cessar-fogo anunciado em Abril, a maior parte destas organizações tinha de trabalhar clandestinamente. O governo e o Exército Real matavam e faziam “desaparecer” muitas pessoas suspeitas de serem seus membros. Durante o último mês, centenas de milhares de apoiantes maoistas vindos de todo o país inundaram a capital do Nepal para participarem em reuniões abertas.

Houve uma convenção nacional das Famílias dos Mártires, presidida pelo Camarada Diwakar, membro do Comité Permanente do PCN(M). O Camarada Diwakar perdeu o seu filho, um membro do Exército Popular de Libertação (EPL), numa batalha no Nepal central. O Presidente Prachanda e o Camarada Baburam Bhattarai também foram oradores. Dezenas de milhares de familiares dos mártires da guerra popular e outras pessoas dirigiram-se para a capital, vindas de todo o país para essa reunião.

Também as famílias dos “desaparecidos” e dos feridos durante a guerra popular organizaram as suas convenções em Katmandu durante vários dias seguidos. Dezenas de milhares de pessoas participaram em cada uma das reuniões. O “Exército do Nepal” (o novo nome do Exército Real) espalhou o rumor de que os maoistas tinham trazido dezenas de milhares de combatentes do EPL para Katmandu para organizarem uma insurreição. O aparelho estatal de segurança no vale de Katmandu foi colocado em alerta e foram restabelecidos os postos de fiscalização que antes haviam sido removidos. A polícia carregou com bastões sobre algumas pessoas que se juntaram para a convenção dos feridos.

Também se realizou uma convenção da Federação Revolucionária de Sindicatos. No total, 50 000 pessoas, entre delegados e observadores, participaram nessa convenção dos sindicatos liderados pelos maoistas, erguendo as bandeiras vermelhas do marxismo-leninismo-maoismo e da Via Prachanda e combatendo todo o tipo de reformismo e de sindicalismo estreito e defendendo os interesses revolucionários do proletariado. Esta federação de sindicatos tem uma gloriosa história de luta ideológica e política contra as linhas reformistas e revisionistas dos sindicatos ligados ao Partido do Congresso (o principal partido parlamentar) e ao UML (um partido parlamentar que tenta chamar-se marxista-leninista). Lançou a sua luta de classes sob a forma de reivindicações sindicais de mãos dadas com a luta de todos os sectores das massas populares no decurso do desenvolvimento da guerra popular.

Do mesmo modo, realizou-se com sucesso a 17ª convenção nacional da União Nacional Independente de Estudantes de Todo o Nepal (Revolucionária), com a participação de dezenas de milhares de estudantes. Vários representantes da Europa e da América Latina fizeram discursos de solidariedade.

A organização de mulheres dirigida pelos maoistas também realizou com sucesso a sua convenção nacional. O Presidente Prachanda falou às dezenas de milhares de mulheres. Esta organização de mulheres do Nepal tem uma gloriosa história de luta no movimento revolucionário. Mais de 40 por cento dos activistas políticos revolucionários nepaleses e dos membros do EPL são mulheres. A linha política do PCN(M) diz que a participação das mulheres em todos os campos da vida social deve atingir os 50 por cento.

As organizações culturais revolucionárias e de intelectuais revolucionários também têm uma história de que se orgulhar na luta do Nepal contra a cultura capitalista e imperialista. As duas organizações também realizaram as suas convenções nacionais.

Fonte (em inglês): Serviço Noticioso Um Mundo A Ganhar (SNUMAG), em aworldtowinns.co.uk ou no perfil facebook Awtw Nese