Pena de morte, pratica-se em Portugal!
Fim ao branqueamento dos crimes da polícia!

Realizou-se hoje no tribunal de Setúbal a leitura da sentença do julgamento do polícia Mário Machado que abateu com tiros de shot-gun o cidadão de origem cabo-verdiana Manuel António Pereira, mais conhecido por Tony em 20 de Junho de 2002 na Bela Vista em Setúbal.

Um assassinato cujo julgamento se iniciou em Novembro do ano passado e que determinou uma sentença de absolvição, típica de um tribunal corporativista, classista e racista, onde a justiça meteu férias e se subordinou aos interesses de uma polícia que diz existir para defender os cidadãos, sustentada num estado de direito.

O colectivo de juizes completamente vergado aos interesses da PSP, a argumentar e a fazer filmes hitlerianos - ao repetirem sistematicamente mentiras, tentando fazê-las passar por verdades. Manifestou do princípio ao fim um comportamento abjecto ao tentar forjar um cenário que não corresponde minimamente à verdade; socorreu-se de argumentos sem fundamento, de testemunhas corporativistas, de testemunhos imprecisos e duvidosos de pessoas sujeitas a pressões de toda a ordem.

Houve um crime, quem o cometeu estava fardado de azul, o que não lhe dá o dom de ser ilibado.

Assistimos do princípio ao fim a um julgamento não de quem mata, mas da vítima e do bairro onde morava. O tribunal preocupou-se com os supostos problemas psicológicos de quem matou, mas virou as costas ao sofrimento dos familiares que ficaram privados do filho e irmão, foram marginalizados desde o início, e até na sentença vêm o seu ente querido passar de vítima a culpado da sua própria morte.

O que se passou hoje em Setúbal foi escandaloso e carece de resposta das consciências que se questionam: Em que mundo vivemos? Que justiça temos ? O crime compensa ?

O Colectivo Mumia Abu-Jamal (CMA-J) recusa-se a pactuar com esta paródia de tribunal e exige que se faça efectivamente justiça, que se limpe a memória do jovem Tony, que se condene o assassino e que seja reconhecida a responsabilidade da instituição da qual faz parte integrante.

Para que não haja mais Tony's!
Este crime não pode ficar impune!
Tony merece justiça!
Não ao branqueamento dos crimes da polícia!
Reagimos porque estamos vivos!

Setúbal, 23 de Março de 2004
Colectivo Mumia Abu-Jamal

(cmaj@mail.pt)