2 anos após a invasão:
Manifestações em Lisboa e Porto contra a guerra no Iraque

O segundo aniversário da invasão e ocupação norte-americana do Iraque, a 20 de Março, foi marcado por manifestações de condenação em todo o mundo. Dois anos após o início do cobarde ataque da nação militarmente mais poderosa do mundo contra um país destruído por uma década de bloqueio económico, o povo iraquiano continua a resistir aos ocupantes e a inspirar os povos de todo o mundo, e a condenação mundial continua tão generalizada como no início.

O maior dos protestos teve lugar em Londres, a capital do mais fiel aliado dos EUA, onde uma manifestação com cerca de 100 mil pessoas exigiu o fim da guerra e a retirada das tropas britânicas e condenou a cumplicidade de Tony Blair.

Outra grande manifestação ocorreu em Roma. Depois de uma jornalista italiana ter sido tomada como refém no Iraque, sendo mais tarde libertada e acabar por ser atingida por balas norte-americanas, o povo italiano tem mostrado uma posição cada vez mais firme contra a guerra, o que acabou mesmo por forçar Berlusconi a mandar retirar as tropas italianas. Outras manifestações com milhares de pessoas tiveram lugar um pouco por toda a Europa e os EUA.

Também em Portugal foram convocadas duas concentrações para o dia 19 de Março, uma para a Praça da Batalha, no Porto, e outra para o Largo Camões, em Lisboa. Apesar da sua pouca divulgação, quer pela organização, quer pela comunicação social, ambas conseguiram reunir um significativo número de pessoas que se concentraram para afirmar a sua oposição à guerra e à ocupação.

9 de Abril de 2005