Maoistas afegãos: «Não participem nas eleições presidenciais e municipais do regime fantoche!»
10 de Agosto de 2009. Serviço Noticioso Um Mundo A Ganhar.

Publicamos de seguida excertos de um comunicado de Julho do Partido Comunista (Maoista) do Afeganistão.

Querido povo do nosso país!

Como sabeis, a segunda volta das eleições presidenciais do regime fantoche e as eleições municipais irão realizar-se no final de Agosto. O espectáculo reaccionário-imperialista já começou. Apelamos a todos vós: não participem nas eleições presidenciais e municipais do regime fantoche!

Emitimos este apelo porque:

Primeiro que tudo: Muita gente acha que a participação nestas eleições será ainda menor que da última vez e que só uma muito pequena minoria da população irá votar. O nosso povo tem o direito de reagir às próximas eleições com indiferença. Ele tem sofrido os resultados das anteriores eleições: mais bombardeamentos assassinos, o aprofundar e alastrar da corrupção do regime, pessoas sem casa, desemprego, pobreza e fome entre os trabalhadores...

Em nenhuma circunstância vendam os vossos votos, seja individualmente seja em grupo (...) Resistam mesmo que enfrentem ameaças de agentes e forças do regime ou dos criminosos senhores da guerra que possam pertencer a diferentes bandos do regime (...).

Por sua vez, vemos como sendo nossa responsabilidade a resistência a qualquer tipo de ameaças superficiais ou reais e também a luta contra qualquer tipo de comércio de votos por qualquer meio disponível, ou pelo menos a denúncia desses casos.

Em segundo lugar, tal como nas anteriores eleições deste regime, esta campanha, a publicidade que a acompanha e outros aspectos são politicamente apoiados, financiados e mesmo directamente levados a cabo pelos ocupantes, que também estão a assumir a responsabilidade pela sua segurança. Todo o processo eleitoral é firmemente controlado pelos ocupantes (...).

Participar nestas eleições significa aprovar a ocupação do país pelos reaccionários imperialistas estrangeiros e também aprovar o governo do regime fantoche (...).

Em terceiro lugar: a situação actual do nosso país e do nosso povo não é basicamente diferente da que existia durante a ocupação social-imperialista soviética e o regime dos seus lacaios dessa época. Durante a resistência contra os ocupantes, morreram 2,5 milhões de pessoas e milhões mais sofreram dor e pesar de muitas formas, tais como a perda das suas casas e o exílio (...) Não sofremos tudo isso e expulsámos os social-imperialistas soviéticos apenas para deixarmos entrar os imperialistas norte-americanos e os seus lacaios. Participar nestas eleições significaria desrespeitarmos os que foram martirizados na guerra de resistência contra os social-imperialistas soviéticos e esquecermos o sofrimento e o pesar que a guerra impôs ao nosso povo (...).

Em quarto lugar: o regime fantoche dominante é completamente corrupto e saqueador. Não é exagero nenhum dizer que é o regime mais corrupto da história do Afeganistão. O seu carácter não se altera mudando os seus principais dirigentes. Mas a vossa participação nestas eleições, mesmo da forma mais limitada, permitirá a este regime corrupto e aos seus dirigentes corruptos alegarem que foram eleitos pelo povo para continuarem a sua corrupção e pilhagem.

Em quinto lugar: a maioria dos que integram o regime fantoche são os mesmos criminosos que antes pertenceram aos partidos Khalq e Parcham (os partidos pró-soviéticos que dirigiram o país após a invasão soviética), aos jihadistas (os fundamentalistas islâmicos apoiados pelo Ocidente para combaterem os soviéticos) e aos talibãs (os fundamentalistas extremistas no poder antes da invasão norte-americana). A maioria dos candidatos presidenciais e municipais é o mesmo tipo de pessoas. Todo o processo de preparação destas eleições indica que foram feitos acordos abertos, envolvendo a decepção e a fraude generalizadas, para que esses mesmos criminosos dominantes, com algumas pequenas alterações, possam permanecer no topo. O escândalo e a desgraça a esse respeito são tais que mesmo muitos dos candidatos às eleições presidenciais estão a falar em boicote às eleições. Nesta situação, quem participar neste espectáculo eleitoral, mesmo que com «boas intenções», está a tentar cobrir de perfume o cheiro fedorento de um pântano profundo. Isso não é possível – a única coisa a fazer é secar o pântano.

Apelamos em particular aos operários e camponeses do país: não participem nas eleições do regime! Este regime é o endossador e apoiante de um grupo de exploradores feudais e capitalistas. Um dos principais objectivos destas eleições é manter e fortalecer as cadeias de exploração que vos acorrentam de mãos e pés. A vossa participação nestas eleições não significaria se não servir politicamente o vosso inimigo de classe. Evitem fazer esse serviço ao vosso inimigo!

Apelamos às massas das jovens e mulheres oprimidas do Afeganistão: Não participem nas eleições do regime! Os ocupantes imperialistas e o seu regime fantoche estão a usar a questão das mulheres ao serviço da sua ocupação e venda do país. Examinem o regime de alto a baixo! Será que a esmagadora maioria dos actuais representantes do regime e dos candidatos à segunda volta das eleições presidenciais e municipais não são chauvinistas impenitentes e juramentados e elementos antimulheres que fazem e aprovam leis para proteger e consolidar a escravidão das mulheres?

Não devemos ser enganados pelo minúsculo número de mulheres candidatas a se tornarem dirigentes do regime. Isso apenas serve de exibição. Quantas mulheres no parlamento do regime votaram contra as chamadas leis da família para a comunidade xiita, leis essas escravizadoras da mulher?

Apelamos aos jovens do país: não participem nas eleições do regime! Participar nas eleições do regime significa participar no esforço de consolidação do domínio deste regime fantoche. Se esse esforço tiver êxito, isso apenas prolongará a vossa falta de esperança no vosso futuro. Quanto mais consolidado estiver o estado de ocupação, mais longa será a guerra de ocupação e mais a juventude será usada como carne para canhão (...)

Apelamos às nações oprimidas do país: não participem nas eleições do regime! Este regime é um regime inerentemente chauvinista e promotor da opressão nacional das nacionalidades oprimidas deste país. Este carácter está formalmente averbado na sua constituição. Os elementos não-pachtuns (a nacionalidade dominante no Afeganistão) deste regime e dos candidatos a um lugar nele não são verdadeiros representantes dos vossos interesses nacionais. São traidores que venderão os interesses nacionais ao serviço do chauvinismo dominante para protegerem a riqueza que têm saqueado e para obterem mais riqueza.

Apelamos às massas pachtuns do país: não participem nas eleições do regime! A vossa parte da actual situação são os frequentes bombardeamentos aéreos dos amos ocupantes do regime. Vejam os vossos irmãos pachtuns no Paquistão! A campanha do exército paquistanês contra as regiões pachtuns nesse país resultou em mais de quatro milhões de pachtuns paquistaneses sem casa e no assassinato de milhares de pessoas. Essa campanha foi desencadeada por ordem directa dos EUA, os amos do regime fantoche imposto no Afeganistão, e é endossada e apoiada por este regime. De facto, a vossa participação nestas eleições significaria a participação no esforço de consolidação deste regime e no alargamento da influência e do âmbito do seu domínio (...) Deveis ter consciência que os pachtuns que integram o regime e os candidatos pachtuns a posições ou lugares neste regime, incluindo Karzai, não são vossos verdadeiros representantes. Eles pretendem de facto servir os seus próprios interesses de classe, de clã e pessoais e usar abusivamente o vosso entusiasmo nacional para os seus próprios fins.

Não participar nas eleições do regime fantoche é parte da resistência aos ocupantes imperialistas e aos traidores nacionais. Mostremos ao mundo que a esmagadora maioria do nosso povo irá participar nessa resistência!

O Partido Comunista (Maoista) do Afeganistão está empenhado em usar todo o seu esforço na vitória global da campanha de boicote às eleições presidenciais e municipais do regime fantoche, na via da luta para desencadear e desenvolver a guerra popular revolucionária de resistência nacional contra os ocupantes imperialistas e os traidores nacionais.

No momento actual, convidamos todas as personalidades, nacionalistas, democratas e círculos revolucionários do país a que se juntem a nós para organizarmos e levarmos avante uma luta pelo desenvolvimento da campanha de boicote deste fraudulento espectáculo eleitoral, com base numa posição e em palavras de ordem comuns.

Fonte (em inglês): Serviço Noticioso Um Mundo A Ganhar (SNUMAG), em aworldtowinns.co.uk ou no perfil facebook Awtw Nese