Recebemos do MRPM o seguinte comunicado:

Edifiquemos o Movimento de Resistência Popular Mundial!

Pelo Comité Organizador Provisório do Movimento de Resistência Popular Mundial

Os povos do mundo inteiro são confrontados com um desafio global lançado por um perigoso inimigo que pretende reforçar e expandir o seu império mundial. Esse inimigo afirmou que tem o direito a usar a força militar para intervir em todo e qualquer lugar, a destruir os povos e as suas terras, a caluniar de "terroristas" as lutas dos povos de modo a legitimar o esmagamento de toda e qualquer resistência à sua cruel ordem política, económica e militar. Proclamou como seu o "direito" a substituir governos à sua vontade. Mas mesmo quando ataca o mais desprezível dos tiranos (a maioria dos quais ele próprio criou e alimentou), as vítimas e os objectivos últimos não são esses tiranos mas os próprios povos. A anterior cortina de fumo dos direitos humanos e da democracia foi largamente substituída pela gangsteriana lógica nua e crua do egoísmo nacional e pela ressurreição da teoria colonialista do século XIX do "fardo do homem branco" e das guerras santas que opõem o Cristianismo (ou a "tradição judaico-cristã") aos "pagãos". E essa cruzada reaccionária levada a cabo em nome da "guerra ao terrorismo" é apoiada pelas mais poderosas armas de terror e de destruição em massa que alguma vez existiram na Terra.

As forças progressistas de cada país são confrontadas com um grande desafio. O chefe da pandilha avisou que "ou estão connosco ou estão contra nós". Muito antes do 11 de Setembro, a injustiça da ordem mundial, em que um pequeno punhado vive do trabalho e da miséria dos povos do mundo, já apelava à resistência. Milhões de pessoas já estavam em movimento e a necessidade de uma unidade mundial era já visível. E agora é ainda mais claro que a via para o progresso social e a libertação não pode evitar uma confrontação directa com a máquina dirigida pelos EUA.

É um dever urgente de todas as forças progressistas ousar resistir e unir-se contra esse inimigo comum dos povos do mundo que dá pelo nome de imperialismo.

Quando os seus amos louvam abertamente as virtudes da tortura, é uma luz verde para todos os regimes despóticos do mundo a usarem livremente. Quando os imperialistas declaram que não há fronteiras nacionais que precisem de respeitar, também o povo precisa de unir as suas forças acima das linhas nacionais. Poderosos movimentos, contra as instituições globais dos estados ricos que dominam o mundo, reúnem manifestantes de muitas origens e muitos países. As acções, mesmo que de relativamente poucos, têm repercussões em todo o império, e os golpes desferidos mesmo em distantes cantos do mundo fortalecem a determinação dos que lutam nas próprias entranhas da besta. Uma posição corajosa tomada pelos escritores e artistas proeminentes de um país inspira réplicas em todo o mundo. Os defensores deste sistema cruel querem uma luta global - que assim seja!

Nunca permitiremos que sejam os nossos inimigos a determinar quais as lutas legítimas e quais as que o não são. Todas as lutas contra o imperialismo e a reacção devem ser apoiadas, incluindo aquelas em que os oprimidos e explorados pegaram em armas contra os defensores da velha ordem. Nunca aceitaremos que os maiores criminosos à face da terra queimem cidades inteiras, ao mesmo tempo que proíbem os povos de acender simples velas.

O Movimento de Resistência Popular Mundial (MRPM) está a ser formado para ajudar a que as lutas de todos os cantos do globo fluam em conjunto numa poderosa torrente. O MRPM fornece um veículo internacional para promover e facilitar a unidade internacional contra o nosso inimigo comum. O enfoque de hoje deve ser a oposição à cruzada imperialista levada a cabo sob o slogan da "guerra ao terrorismo".

O MRPM não procura suplantar ou competir com nenhuma outra organização popular a nível nacional ou internacional. Todos os que estão no mesmo lado da barricada são bem-vindos. Ajudem a formar secções locais do MRPM em todos os países com indivíduos, círculos, associações e partidos políticos. Norte e sul, leste e oeste, unamos as lutas populares!

A nossa primeira acção será de apoio ao povo palestiniano, que tem estado entre os primeiros alvos dessa horrível guerra ao terrorismo levada a cabo pelos EUA e por Israel, o seu cão-de-fila no Médio Oriente. A corajosa resistência de primeira linha dos palestinianos enche o coração dos povos de todo o mundo. Apelamos a todos os que o possam fazer, a manifestar-se contra a visita de George Bush a Berlim a 22 e 23 de Maio. Apelamos também à realização de manifestações em muitos países do mundo no sábado, dia 15 de Junho.

1 de Maio de 2002

Web: http://www.wprm.org
Email: wprm@wprm.org