Um Outro Mundo é Possível – Um Mundo Comunista!

Há milhares de milhões de pessoas como nós que não suportam mais este mundo tal como o conhecemos. Neste planeta, muita gente leva uma vida que acha que não valer a pena ser vivida, enquanto a maioria está reduzida apenas à luta pela sobrevivência.

A riqueza que os trabalhadores criam, em vez de servir para lhes dar uma vida melhor, transformou-se num obstáculo ao progresso da humanidade e mesmo à sua sobrevivência, porque é controlada pelo imperialismo – um sistema mundial devorador cujo primeiro, último e único objectivo é o lucro. Dos tsunamis e terramotos ao aquecimento global, as potências dominantes são incapazes e não estão dispostas a colocar as vidas humanas em primeiro lugar. As incessantes ondas do capital global arrasam país atrás de país, roubando as pessoas das suas terras ou deixando-as desempregadas, empurrando-as a vaguear pelo mundo à procura de trabalho. Novos investimentos e novos avanços tecnológicos trazem às massas mais miséria, sofrimento e mesmo perigos, em vez de uma saída. País atrás de país, incluindo em gigantes asiáticos como a Índia e a China, a sórdida verdade sobre as “histórias de sucesso” do “mercado livre” é que o paraíso que criam para um pequeno punhado de pessoas é construído sobre um inferno para a grande maioria.

Com a oposição da opinião pública mundial, os EUA e a Grã-Bretanha invadiram o Iraque, apoderaram-se das suas riquezas, impuseram um regime fantoche e ressuscitaram demagogos medievais que disputam um quinhão do saque sob as baionetas dos ocupantes – e declararam que isso era uma vitória da democracia! Nada de bom irá acontecer no Iraque enquanto o seu povo não se unir para expulsar os EUA e derrubar os reaccionários locais – e para isso o povo iraquiano precisa do apoio dos povos de todo o mundo.

Agora, os EUA ameaçam impor uma guerra nuclear ao Irão – em nome de se oporem às armas nucleares! Isto mostra uma vez mais que o que os EUA procuram não é paz nenhuma mas sim a hegemonia global. É altura de a frase “Não à guerra contra o Irão!” se transformar numa força mundial.

A fúria do povo do Nepal está em ebulição. Há anos que, contra a sua guerra popular revolucionária, os EUA, a Grã-Bretanha e outros imperialistas e a Índia armam e financiam a odiada monarquia. Agora que o rei cambaleia, querem intervir para salvar um sistema que se baseia no feudalismo e no domínio estrangeiro. A solução para o povo do Nepal não é uma nova cara para um velho sistema, mas sim uma revolução de nova democracia que se torne parte da revolução mundial. Dizemos: Imperialistas e Índia – Tirem as mãos do Nepal!

A resistência aumenta em muitos países, mas demasiadas vezes as massas não compreendem a verdadeira natureza do sistema ou quem são os seus amigos e os seus inimigos, a nível nacional e internacional.

Queremos um mundo onde nenhuma nação oprima outra – onde a diversidade da humanidade possa florescer sem fronteiras. Onde as mulheres, “que suportam metade do céu”, não sejam tratadas como objectos nem oprimidas nem asfixiadas. Onde a sociedade não esteja dividida numa maioria humilhada que trabalha com as suas mãos e uns poucos privilegiados que têm direito a pensar e a tomar as verdadeiras decisões. Onde as pessoas se tenham libertado das ideias que resultam de milhares de anos de exploração e opressão e que os legitimaram. Onde todos os seres humanos, colectiva e individualmente, possam ter uma influência consciente decisiva sobre o seu próprio destino e o do seu planeta.

Esse mundo tem um nome: comunismo. E há uma concepção do mundo e um método que nos podem levar a lutar por ele: o marxismo-leninismo-maoismo. As primeiras tentativas de construção do socialismo rumo ao comunismo, na União Soviética e na China, estão a ser sujeitas a implacáveis ataques por parte dos imperialistas e dos reaccionários que hoje desprezam e ridicularizam a sua história e os seus líderes, num esforço para enterrar para sempre a esperança na Revolução. Mas essas revoluções resultaram em verdadeiras e profundas mudanças nas vidas de centenas de milhões de pessoas e deixaram um riquíssimo legado que pode ser examinado criticamente e com base no qual poderemos avançar. O mundo precisa urgentemente de mais e mais fortes partidos comunistas unidos no Movimento Revolucionário Internacionalista, o qual luta por elevar a sua consciência, a sua unidade e força, de modo a que possa dirigir a humanidade rumo a esse objectivo.

1º de Maio de 2006

O Comité do Movimento Revolucionário Internacionalista

Fonte (em inglês): Serviço Noticioso Um Mundo A Ganhar (SNUMAG), em aworldtowinns.co.uk ou no perfil facebook Awtw Nese