Índia: Dirigentes do PCI (Maoista) presos – “Que todos os camaradas presos sejam imediatamente apresentados em tribunal!”

Do Serviço Noticioso Um Mundo A Ganhar (SNUMAG) de 2 de Maio de 2011, aworldtowinns.co.uk

O texto que se segue é um comunicado à imprensa de 1 de Maio emitido por Abhay, porta-voz do Comité Central do Partido Comunista da Índia (Maoista). Há uma urgência particular na exigência de que todos os presos sejam imediatamente apresentados em tribunal, dado que muitos outros revolucionários indianos foram assassinados depois de terem sido capturados, e as autoridades alegaram que eles foram mortos em “recontros” armados. Foi isso que aconteceu em Julho de 2010, quando as forças de segurança detiveram e assassinaram o dirigente do PCI (Maoista), Camarada Azad (Cherukuri Rajkumar), e o jornalista Hemchandra Pandey no estado indiano do Andhra Pradesh, como parte da Operação Caçada Verde, uma ofensiva militar desencadeada pelo governo central contra as zonas da selva onde a revolução liderada pelos maoistas é forte entre os povos tribais.

As agências centrais de informações e os infames facínoras da APSIB prenderam três dos nossos camaradas do Comité Central [CC] – V. Subramanyam, Vijay Kumar Arya e Punendu Shekhar Mukherjee – juntamente com alguns outros camaradas e simpatizantes, no distrito de Katihar, estado do Bihar, segundo informações precisas. Na realidade, o camarada Subramanyam estava sob vigilância da APSIB há muitos meses. Eles tinham mesmo planeado assassiná-lo. Mas, devido à denúncia da sua conspiração perante o povo, não o conseguiram matar. Há muito tempo que os assassinos autorizados da APSIB e de outras agências secretas indianas treinadas pela CIA e pela Mossad têm visado os líderes da Revolução indiana como parte da sua “Guerra Contra o Povo”. Dirigentes amados pelo povo indiano como Azad, Patel Sudhakar, Shakhamuri Apparao, Prasad e BK foram assassinados por esses homicidas às ordens da clique governante de Sonia-Manmohan-Chidambaram [respectivamente, a líder do Partido do Congresso, no governo, o primeiro-ministro e o ministro do Interior], de mãos dadas com os seus amos imperialistas. Alguns outros líderes e activistas foram presos e postos nos calabouços de várias prisões.

As classes dominantes indianas têm, por um lado, vendido a nação às multinacionais e às grandes empresas, assinando com elas centenas de MoUs [acordos] e, por outro lado, têm tentado esmagar o movimento revolucionário para garantirem que não há nenhuma resistência às suas políticas contra o povo e pró-imperialistas. Como o nosso partido está na vanguarda das lutas de massas contra este sistema corrupto, opressor e explorador, as classes dominantes indianas estão a usar todos os instrumentos repressivos à sua disposição para deixarem as massas indianas sem liderança.

O CC do PCI (Maoista) condena as prisões ilegais e a tortura mental e física impostas a estes camaradas. Apelamos aos operários, camponeses, estudantes, intelectuais e a todos os sectores oprimidos do nosso país a condenarem a injusta guerra das classes dominantes contra o povo e a mobilizarem-se para fazerem avançar a Revolução de Nova Democracia na Índia, que eliminará o feudalismo, a burguesia compradora/burocrata e o imperialismo.