Filipinas: PCF apela à mobilização massiva e ao apoio internacional às operações de ajuda

Do Serviço Noticioso Um Mundo A Ganhar (SNUMAG) de 18 de Novembro de 2013, aworldtowinns.co.uk

O texto que se segue é um comunicado à imprensa de 9 de Novembro difundido pelo Gabinete de Informação do Partido Comunista das Filipinas (ndfp.net). Para saber mais sobre o tufão Haiyan, veja “O tufão nas Filipinas... e as forças destrutivas não naturais do imperialismo” na edição de 14 de Novembro de 2013 do jornal Revolution/Revolución (revcom.us).

O Partido Comunista das Filipinas (PCF) fez chegar hoje as suas condolências aos milhões de pessoas afectadas pelo supertufão Yolanda (nome internacional: Haiyan) que devastou as províncias das Visayas Oriental e Central em Panay, Negros, Masbate, Mindoro, Palawan e outras ilhas, bem como zonas do Mindanao Oriental e Sul Oriental, do Mindanao Norte e as províncias do Luzon Meridional.

Ao mesmo tempo, o PCF apelou a uma massiva mobilização em todo o país e no estrangeiro para a criação de provisões de emergência e de fundos para os esforços de socorro, ajuda e recuperação. O PCF apelou ao “povo nas zonas afectadas pela tempestade a fornecerem a máxima ajuda possível às pessoas que estejam mais necessitadas de ajuda de emergência”.

Ontem, a tempestade tropical Yolanda atravessou as Filipinas, deixando uma vasta faixa de destruição. O Yolanda é considerado como estando entre os mais fortes tufões de sempre a atingir terra, e uma das mais poderosas tempestades dos últimos 30 anos.

O PCF disse que entre as zonas devastadas pelos ventos fortes estão bases revolucionárias sob a autoridade do governo revolucionário provisório, e zonas de operação do Novo Exército Popular (NEP) e de outras organizações revolucionárias de massas.

O PCF também salientou que muitas das zonas devastadas pelo tufão foram recentemente atingidas por violentos terramotos e onde as pessoas ficaram muito vulneráveis aos ventos e chuvas fortes.

“Estas zonas estão entre as mais empobrecidas de todo o país e nelas a maioria da população é constituída por camponeses pobres, trabalhadores agrícolas desempregados, pequenos pescadores e povos indígenas”, disse o PCF. “Elas foram abandonadas há muito tempo pelo governo reaccionário e não irão estar entre as suas prioridades de auxílio”.

O PCF disse que continua à espera de relatórios detalhados dos seus comités locais, bem como de organizações de massas e unidades do NEP nessas zonas.