Do Serviço Noticioso Um Mundo A Ganhar (SNUMAG) de 3 de Janeiro de 2005, aworldtowinns.co.uk

Declaração do Comité do MRI sobre o tsunami

Transcrevemos de seguida um comunicado de 1 de Janeiro do Comité do Movimento Revolucionário Internacionalista, centro embrionário dos partidos e organizações marxistas-leninistas-maoistas do mundo.

O ano de 2005 começou sob uma nuvem terrível. O tsunami que devastou as zonas litorais de vários países do Sudeste e Sul da Ásia tirou as vidas de um gigantesco número de pessoas e deixou muitas mais sem casa e sem bens. O Movimento Revolucionário Internacionalista estende as suas condolências mais profundas a todos os que estão a passar por tão grande sofrimento.

Na actual fase do desenvolvimento da humanidade e do conhecimento científico da espécie humana, terramotos e tsunamis ainda representam uma terrível ameaça. Mas mesmo os meios existentes para os advertir atempadamente estão muito desigual e injustamente divididos no mundo. A capacidade dos povos de minimizar os danos causados por desastres naturais e responder rápida e efectivamente quando uma catástrofe realmente acontece é determinada em grande parte pelo modo de organização da sociedade humana, num país específico e no mundo como um todo.

Em todo o mundo, tal como nas regiões afectadas, as massas estão com os corações destroçados pela morte e sofrimento e em busca de alguma forma de ajudar. Mas a maioria das massas é posta de lado, apenas deixada ser observadora frustrada do desenrolar da tragédia humana. Os governantes deste mundo, os imperialistas e as classes dominantes reaccionárias suas aliadas, usaram esta calamidade para aparecer como os únicos salvadores possíveis. Na realidade, é o sistema do qual eles lucram, governam e impõem o seu domínio que é o principal obstáculo que impede a espécie humana de organizar o seu conhecimento colectivo e a energia para combater sistematicamente os desastres naturais, bem como a pobreza, a doença e outros males. Os militares manchados de sangue dos EUA, que agora organizam entregas televisionadas de ajuda alimentar, são na realidade a mais poderosa força a impor essa mesma pobreza e atraso que tanto agravaram os números de mortos do tsunami.

Nas zonas atingidas pelo tsunami há uma grande necessidade de organizar esforços de ajuda com base nos esforços cooperativos das próprias massas e nós apelamos às forças maoistas dessas regiões e noutros lugares para contribuírem em todos os sentidos possíveis. Também apelamos a que exponham a hipocrisia e a manipulação dos inimigos internos e externos. Enquanto as massas estiverem escravizadas pelas classes exploradoras e nações inteiras forem controladas pelas classes dominantes de um punhado de países imperialistas, mais tragédias como a que hoje vivemos serão inevitáveis.

Enquanto lutamos por superar este desastre natural, temos que continuar a tomar como objectivo o derrube das actuais classes dominantes, acabar com a superstição e a ignorância que eles alimentam e libertar a energia das massas que, afinal de contas, são mais poderosas mesmo que um tsunami.