Recebemos o seguinte comunicado do Colectivo Mumia Abu-Jamal:

Agressões e prisões pela polícia no bairro da Cova da Moura
Mais um caso de violência policial que não pode ficar impune

Na passada 5ª feira, 5 de Fevereiro, uma brigada policial fez uma pretensa rusga na Cova da Moura, numa pura demonstração de força e intimidação da população, tal como muitas vezes tem acontecido em muitos bairros do país. A certa altura, abordaram de forma provocatória um grupo de jovens do bairro, revistando-os e abusando-os verbalmente à espera de alguma forma de resposta violenta. Como não a obtiveram, os polícias começaram a agredir brutalmente um dos jovens, apesar de este não estar a oferecer qualquer resistência. Seguiram-se disparos, incluindo sobre outros habitantes que entretanto tinham ido ver o que se passava e que puderam testemunhar todo o episódio. Uma voluntária da Associação Moinho da Juventude foi atingida na perna e na nádega. O jovem, a sangrar, foi algemado e levado para a esquadra de Alfragide. Aí, os polícias juntaram-se para o agredir com cassetetes e pontapés, ao mesmo tempo que o insultavam. Só seria libertado no dia seguinte, depois de o terem acusado de apedrejar a carrinha da polícia, uma acusacão impossível, já que ele na altura estava a ser revistado.

Um grupo de pessoas, entre os quais dois dirigentes do Moinho, decidiu dirigir-se à esquadra para exigir a libertação dele. Apesar da abordagem pacífica deles à entrada da esquadra, foram logo insultados e baleados e depois, dentro da esquadra, foram algemados, violentamente agredidos e ameaçados de morte. Cinco deles foram detidos e levados pela polícia para a esquadra da Damaia e depois para um hospital, devido aos ferimentos que tinham sofrido. A polícia e a comunicação social tentou apresentar o que se passou este episódio como sendo um gang a invadir a esquadra.

Este é mais um dos muitos casos de provocação e violência policial que alastram em particular nos bairros negros das periferias e que não podem ficar sem resposta. A cada dia que passa, a polícia provoca, invade, agride, insulta e prende ilegalmente sobretudo jovens de etnias que o sistema considera inferiores, através dos seus agentes nas forças de repressão, nas quais se expandem cada vez mais, com encorajamento oficial e com total impunidade, sentimentos de ódio racista.

Isto não acontece por acaso, acontece numa altura em que a crise do sistema impõe condições de vida cada vez mais horrendas e desumanizadoras aos sectores mais explorados e oprimidos da sociedade, com particular destaque para os descendentes de africanos, que são empurrados para o desemprego (esmagadoramente os jovens) e para uma vida em bairros onde lhes são negadas as mais elementares condições de sobrevivência. Este sistema não tem nada para lhes oferecer e pretende esmagar-lhes os horizontes.

Isto está a acontecer em todo o mundo dito avançado, em toda a Europa e nos EUA (onde chega a limites extremos, como os assassinatos endémicos de afro-americanos e latinos que geraram a recente grande onda de protestos e indignação). O objectivo é impor um brutal sistema de medo permanente que impeça os jovens de se revoltarem, sob qualquer forma, desde as mais erradas às mais avançadas, contra uma vida sem perspectivas e para mudar a sociedade. O objectivo é dividir, colocar brancos e negros uns contra os outros e entre eles mesmos, fazer com que cada um lute por “privilégios” neste sistema, numa luta do “nós” contra “eles”, do “eu” acima dos “outros”, numa guerra pela sua “fatia” da opressão. São objectivos em que estão empenhados todos os órgãos deste brutal sistema, desde a polícia à comunicação social, passando por todos os órgãos deste estado opressor.

É necessário lutar contra esta repressão e opressão e acabar com a lógica divisora deste sistema, com esta forma de pensar e de agir. É necessário enfrentar a realidade e pensar que não é apenas uma questão de mudar de mentalidade, mas sim de mudar as bases opressoras desta sociedade. Denunciar todos estes casos e lutar lado a lado para mudar tudo isto, lutar por uma sociedade em que não haja estas divisões e que crie as condições para as pessoas viverem a sua criatividade e em condições humanas.

Temos de lutar e resistir. Lutar pelos que foram agredidos, presos e desumanizados neste caso. Lutar e resistir para denunciar todos estes casos, lutar e resistir contra a criminalização de todo um grupo étnico, contra as detenções, os ataques e o terror policial. Lutar por ligar todas as lutas contra este sistema, que são parte da mesma luta. E lutar e resistir para construir uma sociedade melhor. Isto é possível e é cada vez mais necessário.

As provocações e a violência policial têm de acabar!

Punição exemplar de todos os polícias envolvidos!

Organiza-te contra a violência policial e o racismo!

Participa nas acções de protesto!

10 de Fevereiro de 2015
Colectivo Mumia Abu-Jamal
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
cma-j.blogspot.pt
facebook.com/pages/Colectivo-MUMIA-Abu-Jamal/361860907279943