Quatro pontos sobre as eleições presidenciais francesas

Do Serviço Noticioso Um Mundo A Ganhar (SNUMAG) de 8 de maio de 2017, aworldtowinns.co.uk

A segunda volta das eleições presidenciais em França teve lugar a 7 de maio. Emmanuel Macron ganhou por uma margem de dois para um contra a candidata fascista Marine Le Pen. O Serviço Noticioso Um Mundo A Ganhar continuará a reportar sobre este assunto. De momento, os principais pontos a salientar são:

1) Macron foi o candidato do “consenso” imperialista, em torno do qual se uniu a grande maioria da classe dominante capitalista francesa e dos seus representantes políticos. A vitória dele não é de nenhuma maneira uma vitória do progresso ou da clarificação.

2) Milhões de pessoas votaram contra Le Pen ainda que ao mesmo tempo rejeitassem a política declaradamente pró-capitalista de Macron. Mas isto não afastou o perigo do fascismo. O processo eleitoral tem normalizado a direita fascista em França (antes considerada extremista de “franja”) e legitimou ainda mais os seus esforços para chegar ao poder político.

3) A eleição de Macron irá significar a continuação e aceleração da política de direita em França e a nível internacional. Ele prometeu, entre muitas outras coisas, transferir rapidamente os refugiados a quem foi rejeitado asilo, atirar para a prisão muitas mais pessoas que cometerem pequenos delitos e cortar o número de empregos nos serviços públicos, os benefícios sociais e a proteção social.

4) As pessoas em França, tal como noutros lugares, precisam de uma solução completamente diferente, comunista revolucionária, como escolha entre a continuação da atual situação capitalista-imperialista e a alternativa fascista que intensificaria de facto a indignidade desse mesmo sistema capitalista-imperialista.