Do Serviço Noticioso Um Mundo A Ganhar (SNUMAG) de 3 de Novembro de 2014, aworldtowinns.co.uk

O seguinte artigo de C. Clark Kissinger foi publicado na edição de 3 de Novembro de 2014 do Revolution/Revolución, jornal do Partido Comunista Revolucionário, EUA (revcom.us).

Nova lei visa silenciar o preso político norte-americano Mumia Abu-Jamal

Por C. Clark Kissinger

Mumia Abu-Jamal

A legislatura da Pensilvânia aprovou uma nova lei que dá aos juízes da Pensilvânia poder para proibirem qualquer actividade de qualquer pessoa condenada por crimes de danos pessoais que “perpetuem o efeito continuado do crime sobre a vítima, (...) incluindo condutas que causem um estado temporário ou permanente de angústia mental”. Em nome dos “direitos das vítimas”, esta nova lei foi aprovada como resposta directa ao facto de Mumia Abu-Jamal ter feito um muito bem recebido discurso de abertura telefónico na Universidade de Goddard, uma universidade que ele frequentou quando era jovem.

Mumia, um dos presos políticos mais conhecidos deste país, foi fraudulentamente condenado pela morte de um agente da polícia em 1982. Ele passou um quarto de século em prisão solitária no corredor da morte até os tribunais terem comutado a pena de morte dele para prisão perpétua. Mas a voz de Mumia nunca foi silenciada nem sequer por um único dia quando ele continuou a denunciar os crimes contra a humanidade perpetrados por este sistema em comentários gravados ou escritos.

Esta nova lei permite à Fraternal Ordem da Polícia ou à mulher do polícia morto obterem uma ordem do tribunal para proibirem qualquer actividade futura de Mumia que divulgue a luta dele por justiça. Esta nova lei aniquiladora pode permitir a censura prévia do direito a falar e aplica-se a todos os “ofensores” na Pensilvânia, incluindo aqueles que já terminaram as suas penas e foram libertados.

Para tornar claro que a lei é dirigida a Mumia, o Governador da Pensilvânia Tom Corbett foi a Filadélfia assinar a chamada “Lei de Alívio da Revitimização” na esquina da rua onde Mumia foi atingido a tiro pela polícia e o agente policial foi morto. A tentativa de conferência de imprensa dele foi abafada por 50 apoiantes de Mumia que gritavam palavras de ordem.