Do Serviço Noticioso Um Mundo A Ganhar (SNUMAG) de 26 de Janeiro de 2004, aworldtowinns.co.uk

Exército Popular de Libertação do Nepal continua a somar vitórias

O texto que se segue são excertos ligeiramente editados do Boletim de Informação Maoista n.º 8 (de 20 de Janeiro), publicado pelo Partido Comunista do Nepal (Maoista) (veja em cpnm.org). Descreve os avanços da Guerra Popular - que se aproxima do seu oitavo aniversário - e o emergir de um novo estado revolucionário no qual milhões de pessoas já detêm o poder político nas suas próprias mãos. Este estado é o embrião de uma futura república popular em todo o país.

O heróico Exército Popular de Libertação (EPL) tem dado sérios golpes ao mercenário Exército Real do Nepal (ERN).

Vitoriosas acções militares, sob a forma de emboscadas, minas, ataques-surpresa e sabotagens, têm sido levadas a cabo quase diariamente em diferentes partes do país. Em particular, as emboscadas e as minas têm sido tão eficientes que os mercenários reais virtualmente deixaram de se arriscar nas zonas libertadas rurais, excepto com preparativos excepcionais.

Na mais recente acção militar vitoriosa na região oriental do país, a 16-18 de Janeiro foram mortos mais de vinte mercenários do ERN e vários outros ficaram feridos em Ramite, no distrito de Morang. Os mercenários reais foram primeiro apanhados numa emboscada com minas e depois o combate continuou na floresta durante mais de dois dias. Esta humilhante derrota do ERN foi completamente ignorada pela comunicação social do velho estado.

A 18 de Janeiro, uma escolta do ERN foi atacada na estrada Dhangarhi-Dadeldhura, na região extremo-ocidental do país, onde foram mortos cinco mercenários reais, sete ficaram feridos e cinco foram capturados.

Antes, a 18 de Dezembro, um grande comboio armado de mercenários do ERN foi emboscado em Shivagarhi, no distrito de Kapilvastu (Terai centro-ocidental), onde dez soldados foram mortos e enormes danos foram infligidos ao inimigo.

A 26 de Dezembro, foram mortos quatro soldados do ERN numa emboscada numa estrada minada em Jyamire, perto de Hetauda (Centro Interior do Terai).

A 30 de Dezembro, três soldados do ERN conheceram morte imediata quando os combatentes do EPL dispararam sobre eles no exterior de um banco governamental em Taulihawa, no distrito de Kapilvastu.

A 2 de Janeiro foram mortos quatro soldados do ERN numa emboscada perto de Manohari, na estrada Hetauda-Narayangarh.

A 3 de Janeiro foram mortos sete mercenários do ERN numa emboscada e subsequente combate em Jalbire, na estrada Mugling-Narayangarh (Região Central). Porém, o EPL também teve uma perda irreparável nesta acção, com a morte do Camarada Salim, comandante de batalhão.

A 5 de Janeiro houve um grande combate com o ERN no bosque de Mahure, no distrito de Khotang (Região Oriental). Seis mercenários reais foram mortos, várias armas automáticas foram confiscadas e vários oficiais superiores do distrito foram capturados (tendo sido posteriormente libertados).

Do mesmo modo, centenas de pequenas e médias acções militares foram levadas a cabo em todo o país, matando inúmeros polícias e soldados do regime real. Porém, a comunicação social real esconde convenientemente as pesadas perdas do seu lado e destaca a morte de pessoas desarmadas e de prisioneiros de guerra assassinados pelo ERN em falsos “combates”.

[Após a formação do Governo Popular da Região Autónoma Magar, noticiada pelo SN-AWTW da semana passada], a 19 de Janeiro foi formado o Governo Popular da Região Autónoma Bheri-Karnali, sob a direcção do Camarada Khadga Bahadur B.K., e anunciado publicamente numa grande reunião de massas no distrito de Jajarkot. De notar que a região de Karnali é a zona mais remota e atrasada do país. Mas é também um dos principais centros da revolução. Em breve serão também formados Governos Populares Autónomos nas Regiões de Seti-Mahakali, Tharuwan, Tamuwan, Tamang, Kirat e Madhesh.

Entretanto, o CPRU [Conselho Popular Revolucionário Unificado, embrião do futuro governo revolucionário de todo o Nepal] emitiu recentemente um “Manual para a Administração do Poder Popular, 2004” para harmonizar a administração do Poder Popular local nas zonas libertadas de todo o país. Esse Manual inclui capítulos separados sobre administração das Regiões Autónomas e dos Organismos Locais, administração geral, segurança pública, reforma agrária revolucionária, administração das florestas, indústria, comércio e finanças, cooperativas populares, desenvolvimento de infra-estruturas físicas, saúde pública, educação pública, cultura popular e segurança social. Foi também elaborado um Código Jurídico Público para administrar o Poder Popular de Nova Democracia.