Eleições europeias: Recusar as ilusões burguesas!

No próximo dia 13 de Junho, realiza-se mais um acto eleitoral, desta vez para o Parlamento Europeu. Uma vez mais, todas as forças políticas das burguesias europeias nos vêm tentar fazer alinhar com o seu sistema, supostamente o mais perfeito do mundo.

Mas o Parlamento Europeu é de facto mais um dos órgãos do domínio da burguesia, num esforço de unificação de vários sistemas de exploração, pensando assim as burguesias europeias (ou pelo menos as mais poderosas) que podem obter benefícios globais na luta inter-imperialista pelo domínio e rapina do mundo.

Muitas forças ditas de esquerda, incluindo da esquerda mais militante e radical, participam nestas eleições em vários países. Nenhuma dessas forças utiliza as eleições para denunciar o sistema capitalista como um sistema de exploração de uma classe por outra classe, nem para indicar o caminho do derrube da classe dominante (pela força) e da criação de um novo poder pelos explorados e oprimidos de toda a Europa, aliados a todos os povos do mundo.

Embora algumas forças utilizem as eleições como uma tribuna para algumas causas importantes – como a denúncia da globalização capitalista e da guerra de rapina no Iraque, e da cumplicidade das burguesias europeias –, a verdade é que participar num acto fundamental do domínio da burguesia, ainda para mais numa altura de crise estrutural do sistema capitalista apenas serve para o fortalecer.

Muitos trabalhadores com consciência de classe, e muitos dos seus aliados em classes intermédias, já deixaram de participar/colaborar nas eleições burguesas, ignorando-as completamente e apelando à abstenção. Outros preferem acreditar que, votando branco ou nulo, estão também a manifestar a sua repulsa pelo sistema, ao mesmo tempo que mostram que não estão a ter apenas uma atitude amorfa de alheamento.

Ambas as atitudes são posições de rejeição do sistema, a diferentes níveis, e muitos argumentos numa e noutra direcção já foram lançados para o debate. Não é ainda o momento de a Página Vermelha tomar uma posição num ou noutro sentido. É, no entanto, altura de a PV apelar a que no próximo dia 13 de Junho não se deposite um único voto em qualquer partido que seja, porque qualquer voto útil apenas será útil para a burguesia, que o utilizará para alegar a vitalidade do seu sistema dito democrático. O objectivo dos verdadeiros revolucionários é denunciar o sistema democrático-burguês como uma forma de a burguesia enganar o povo. Qualquer cumplicidade com esse sistema significa continuar a alimentar as ilusões das massas!

3 de Junho de 2004
O Comité Editorial da Página Vermelha