Concentração basca

Delegação basca em Lisboa para exigir liberdade para o seu povo

Por C. Silva

"O povo mais antigo da Europa, com uma das línguas mais antigas do mundo. Um povo que vive ocupado há cerca de três séculos pelo Estado espanhol e pelo Estado francês mas que nunca se rendeu nem deixou de resistir. O retrato actual é um retrato manchado de sangue: o fim do franquismo não acabou com a repressão fascista, nem deu ao povo basco o direito de escolher a independência ou a dependência e, acima de tudo, não lhe deu razões para parar a luta. Nas prisões espanholas e francesas estão confinados aproximadamente mil presos políticos bascos, todos eles a milhares de km de casa. Fora os cidadãos presos todas as semanas que, após dias de incomunicação, vexações, humilhações e bárbaras torturas físicas e psicológicas, são soltos por nada se comprovar contra eles. O Estado espanhol ilegalizou um partido político que costuma ter entre os 10% e os 30%, o Batasuna, partido da esquerda independentista basca; ilegalizou jornais e rádios pela expressão de determinados ideais políticos; ilegalizou organizações juvenis, sociais e humanitárias; ilegaliza diariamente um povo por querer romper as amarras da opressão, por exigir paz e liberdade. Cabe a todos nós denunciar a verdade, cabe a todos nós encetar a luta solidária e internacionalista." (De um panfleto da ASEH)

Concentração basca A meio do mês passado, esteve em Portugal, a convite da Associação de Solidariedade com Euskal Herria (ASEH), uma delegação da organização independentista basca Batasuna. A sua estadia seguiu-se a outras visitas à Galiza, Catalunha, Itália, França, Irlanda, Venezuela, Argentina, Cuba e outros países.

A visita da Batasuna insere-se numa campanha internacional de denúncia da situação do povo basco, impedido de exercer o seu direito à autonomia e à independência e reprimido pelo Estado espanhol. Entre os ataques aos princípios básicos da democracia que a burguesia apregoa, está a ilegalização de todas as organizações da esquerda radical do país basco, incluindo a Batasuna, impedida de participar nas eleições do próximo dia 17 de Abril para a Comunidade Autónoma do País Basco. Os bascos contactaram vários partidos e organizações e foram ainda recebidos por Mário Soares.

Concentração basca No dia 17 de Março, pelas 18 horas, meia centena de pessoas, apesar do silêncio da comunicação social, associaram-se à delegação na Avenida da Liberdade, frente ao consulado espanhol em Lisboa, exigindo liberdade e independência para o povo basco. À noite, num jantar no Bairro Alto, perante uma sala repleta, os membros da delegação puderam agradecer a solidariedade e o estímulo que encontraram em Lisboa, falaram na ligação entre o povo basco e o povo português e mostraram o seu empenho em construir um País Basco livre e socialista.

8 de Abril de 2005