Arraial do 24 de Abril

Manifestação alternativa toma a Baixa de Lisboa

Por C. Silva

Um arraial/festa popular alternativa convocada para 24 de Abril no Príncipe Real em Lisboa juntou algumas centenas de pessoas que mais tarde viriam a descer em manifestação em direcção ao Martim Moniz.

Arraial do 24 de Abril A manifestação integrava-se na ideia de "tomar a cidade", devolvê-la aos seus habitantes contra os que decidem em seu nome, escapar à rotina, lançar a criatividade nas ruas, celebrar a revolta e a festa.

Por volta das 16h da tarde, já estavam algumas dezenas de companheir@s no Largo do Príncipe Real. Outros foram-se juntando, num ambiente de festa, divertindo-se e dançando ao som da música que saía de aparelhos dentro de carrinhos de supermercado. Via-se um pouco de tudo, crítica social sob diversas formas, caricaturas do novo Papa, panos a dizer “O capitali$mo não se reforma, destrói-se” e “A rua é tua”.

Às 18h, quando já se haviam juntado cerca de 200 pessoas, começou-se a sair em manifestação em direcção ao Chiado. Como não tinha sido comunicada ao Governo Civil, era considerada ilegal e havia imensos polícias e carros da polícia, que acabaram por tentar bloquear a passagem no Largo Camões. Mas a persistência e a criatividade dos companheir@s conseguiu, após algum impasse, furar o cordão policial e prosseguir até à Praça da Figueira e ao Martim Moniz, onde terminaria.

Arraial do 24 de Abril A polícia tentava não perder demasiado o controlo, mas a alegria e a imaginação reinantes eram sempre mais inteligentes que eles, e muitas vezes foram completamente ultrapassados, ficando para trás da manifestação. Continuava a música, a alegria, houve várias pinturas em estabelecimentos comerciais e bancários. Durante o percurso houve sempre mais gente a juntar-se à festa.

Foi um acontecimento importante, provando que era possível fazer uma grande festa alternativa nas ruas, perante a impotência das chamadas autoridades.

5 de Maio de 2005