Do Serviço Noticioso Um Mundo A Ganhar (SNUMAG) de 16 de Maio de 2005, aworldtowinns.co.uk

CoMRI: Em memória do Camarada Ibrahim Kaypakkaya

Ibrahim Kaypakkaya foi assassinado a 17 de Maio de 1973. Embora tivesse apenas 24 anos, entre os debates políticos que decorriam nessa altura a nível internacional e na Turquia, ele compreendeu o significado das contribuições de Mao Tsétung para o Marxismo e a grande importância da Revolução Cultural que Mao estava a dirigir. Isso tornou-lhe possível que reunir revolucionários da Turquia no Partido Comunista da Turquia / Marxista-Leninista. O partido que fundou em 1972 iniciou a primeira tentativa séria de iniciar nesse país uma guerra popular, uma guerra que mobiliza e se baseia nas massas populares. O exército turco capturou-o a 29 de Janeiro de 1973 na cidade de Dersim, no Curdistão. Morreu nas câmaras de tortura do regime. O texto que se segue é uma mensagem do Comité do Movimento Revolucionário Internacionalista (CoMRI) enviada ao Partido Comunista Maoista (Turquia e Curdistão do Norte), MKP, por ocasião do aniversário da morte do Camarada Kaypakkaya. O MRI, cujo objectivo é uma internacional comunista de um novo tipo, é o centro embrionário dos partidos e organizações marxistas-leninistas-maoistas do mundo.

Queridos Camaradas, saudações! Nós, no Comité do Movimento Revolucionário Internacionalista temos um amor sincero e profundo e uma reverência para com o camarada Kaypakkaya porque, pela primeira vez na história dos povos que vivem dentro das fronteiras da Turquia, surgiu alguém que lançou as fundações de uma correcta linha marxista-leninista-maoista para a revolução na Turquia e fundou um partido proletário revolucionário nesse país. Deste modo, o camarada Kaypakkaya iluminou o caminho para a libertação do proletariado e dos povos da Turquia.

Camaradas: vocês herdaram o partido que o camarada Ibrahim Kaypakkaya fundou e seguram a bandeira vermelha que ele ergueu bem alto. Isso coloca nos vossos ombros uma imensa responsabilidade, uma responsabilidade para cumprirem e serem comunistas revolucionários consequentes e internacionalistas proletários consequentes, uma responsabilidade não apenas para perseverarem no caminho que ele iluminou mas também para aplicarem vigorosamente o MLM e desenvolverem a teoria e a prática da revolução na Turquia, de modo a um dia derrubarem a reaccionária República da Turquia que serve lealmente e é apoiada pelos imperialistas norte-americanos e europeus.

Camaradas: os imperialistas norte-americanos transformaram o Médio Oriente num teatro de operações da sua guerra ilimitada contra os povos do mundo. Eles sonham em moldar um Grande Médio Oriente para a exploração e o saque imperialista, através do derramamento do sangue dos povos da região e da horrenda destruição que aí infligem. A sua agressão está a fazer abalar o terreno político da região e já provocou uma grande agitação e oposição. É responsabilidade dos partidos maoistas (na Turquia, bem como nos outros países onde tais partidos existam) agarrar as oportunidades emergentes e dirigir os proletários e os povos para que se levantem e respondam a essa viciosa violação, levando a cabo guerras populares com o objectivo de transformar o Médio Oriente de uma região governada por xeques, mulás e generais no “Maior Cemitério” desses estados reaccionários e seus amos imperialistas e de todo o seu repulsivo sistema de exploração e pilhagem. Esta é, sem dúvida nenhuma, uma tarefa complicada e assustadora, mas é a única via para a libertação dos povos dessa região. Todas as outras vias e todas as outras forças políticas e ideológicas que reivindicam resistir à agressão imperialista capitularão de certeza de uma maneira ou de outra aos imperialistas e reaccionários.

Queridos camaradas: A existência do MRI foi e continuará a ser de uma importância crucial para o avanço dos partidos marxistas-leninistas-maoistas de todo o mundo, incluindo a Turquia. O MRI forneceu ao movimento maoista a nível internacional uma correcta linha política e ideológica. É hoje mais importante que nunca apoiar e fortalecer o MRI para que ele possa executar as suas tarefas relativas ao movimento comunista internacional. Essa é uma tarefa cardinal para todos os comunistas em todos os países.

Camaradas: O sistema imperialista subjuga e oprime bilhões dos nossos irmãos e irmãs em todo o mundo e obriga-os a viver uma vida de entorpecimento e labor árduo, ao mesmo tempo que a abundância material, o progresso tecnológico e o conhecimento humano atingem níveis de pasmar. Isso é prova evidente de que o antigo sistema deve ser derrubado tão cedo quanto possível e um novo sistema erguido sobre as suas cinzas. A profunda verdade avançada há mais de 150 anos no Manifesto Comunista de Marx soa agora mais claramente que nunca: os proletários não têm nada a perder, além das suas cadeias – têm um mundo a ganhar.

Saudações vermelhas à memória do camarada Kaypakkaya!
Viva o Partido Comunista Maoista!
Viva o Internacionalismo Proletário!